Se no último domingo (11) o Internacional viveu o pior momento da sua história, sendo rebaixado pela primeira vez para a Série B do Campeonato Brasileiro, no dia seguinte o clube já anunciou um novo treinador para comandar a equipe na segunda divisão em 2017, Antônio Carlos Zago.

Zago como treinador do Juventude.

Zago como treinador do Juventude.

O anúncio foi feito na última segunda-feira (12) através do site oficial do Internacional, onde o clube gaúcho comunicou a chegada de Zago, do auxiliar-técnico Galeano e do preparador físico Carlos Pacheco, todos ex-funcionários do Juventude. “O Sport Club Internacional comunica que Antônio Carlos Zago será o treinador da primeira equipe a partir da próxima temporada. Ele terá a companhia de Galeano, auxiliar técnico, e Carlos Pacheco, preparador físico. O contrato se estende até dezembro de 2017”. A apresentação da nova comissão técnica acontecerá na próxima terça-feira, 13, às 10h30, na sala de conferência do Estádio Beira-Rio. O treinador Antônio Carlos Zago já disputaria a Série B do Campeonato Brasileiro em 2017, tendo em vista que havia acertado uma renovação de contrato com o Juventude, que conseguiu o acesso para a segunda divisão neste ano sob o comando de Zago. Porém, o treinador recebeu propostas do presidente eleito do Internacional, Marcelo Medeiros, e do vice- de futebol, Roberto Melo, decidindo assim mudar de clube. O contrato de Zago com Internacional é de um ano, porém, os valores ainda não foram anunciados.

Durante seu período no comando do Juventude, Zago conseguiu bons resultados, chegando à final do Campeonato Gaúcho, eliminando o Grêmio nas semifinais, além de ter chegado as quartas de final da Copa do Brasil, a melhor campanha do Juventude desde o título em 1999, sendo eliminado pelo Atlético Mineiro nos pênaltis e eliminando equipes como o São Paulo durante a competição. Já no Campeonato Brasileiro, a equipe disputou a Série C e conseguiu o acesso para a Série B do ano que vem para a equipe gaúcha.

Inédito rebaixamento

Ariel em entrevista pelo Internacional.

Ariel em entrevista pelo Internacional.

O ano de 2016 poderia ser esquecido pelos torcedores do Internacional. O clube gaúcho, que já foi campeão das principais competições nacionais e internacionais, como a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes, ambos em 2005, não teve um bom ano, passando por vários problemas dentro e fora de campo, o que resultou no inédito rebaixamento da equipe para a segunda divisão do futebol brasileiro. O rebaixamento do Internacional não pode ser justificado apenas pelo fato de que equipes como Sport e Vitória foram melhores, já que terminaram na décima quarta e sexta colocação, respectivamente. Temos que olhar os problemas internos no Internacional que causaram um ano bagunçado e turbulento para o elenco, o que não ajudou em nada na luta pela permanência na Série A. Um dos problemas do clube em 2016 foram dois jogadores experientes, que em tese poderiam contribuir com o elenco, mas que pouco fizeram pela equipe. Os atacantes Nico López e Ariel Nahuelpan chegaram para resolver o problema no ataque do Internacional, porém, não conseguiram. Com poucas chances, ambos fizeram apenas um gol cada, com Nico marcando pela Copa do Brasil e Ariel pelo Campeonato Brasileiro. Além do problema no ataque, o elenco do Internacional passou pelas mãos de quatro treinadores durante o Campeonato Brasileiro.

Falcão como treinador do Internacional em 2016.

Falcão como treinador do Internacional em 2016.

Primeiro foi Argel Fucks, dando sequência ao seu trabalho na equipe gaúcha, com uma filosofia de ocupar os espações, erro zero e poucos gols sofridos. Depois de seis jogos sem vitórias, acabou sendo demitido, dando lugar ao ídolo da torcida e homem sugerido pelo diretor de futebol, o treinador Paulo Roberto Falcão. Com uma filosofia totalmente diferente do antigo treinador, priorizando a posse de bola e ofensividade, Falcão não durou nem cinco jogos (foram dois empates e três derrotas). Na sequência, mais um treinador, dessa vez o campeão da Libertadores de 2010, Celso Roth, com outro pensamento e modo de trabalhar, priorizando a diminuição dos erros e apostando mais nos atletas da categoria de base. Porém, os resultados não vieram e depois de 22 partidas comandando o Internacional, conseguindo seis vitórias, seis empates e dez derrotas, Roth foi demitido. Por último, chegou Lisca, cuja família tem um histórico com o Inter. Porém, já era tarde demais, faltando apenas quatro rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, Lisca pouco pode fazer para ajudar a equipe, conseguindo uma vitória, dois empates e uma derrota, o treinador acabou sendo rebaixado junto com o Internacional.

Boas Apostas!