O “guerreiro” que definiu a classificação do Botafogo na “batalha de Santiago” voltou a ser decisivo. Rodrigo Pimpão foi o autor do gol que derrotou o Olímpia na partida de ida da 3ª fase pré-Libertadores. O Atlético deixou a fugir a vitória em cima da hora e vai ter uma tarefa bem complicada no Paraguai…

É do Pimpão

Foto: " André Durão"

Foto: ” André Durão”

O Botafogo cumpriu sem objetivo primeiro ao vencer o Olimpia na partida de ida, disputada no Engenhão. Tal como frente aos chilenos do Colo-Colo na eliminatória anterior, o “Fogão” garantiu vantagem miníma para o segundo confronto, mas sem sofrer golos dessa vez. Frente a um time que se destaca por sua qualidade atacante,  não ter sofrido gols em casa foi muito importante para o clube Carioca nessa eliminatória, embora siga tudo em aberto para a partida da volta, no Defensores del Chaco, em Asunción.

Outro ponto em comum face ao jogo de ida com o Colo-Colo na eliminatória anterior é o fato de ter perdido uma das suas unidades mais importantes no decorrer do jogo. Se na altura Airton teve que abandonar a partida, dessa vez foi Montillo que se viu obrigado a abandonar o gramado. O gol de Pimpão, aos 37 do primeiro tempo, é um prémio justo para um dos jogadores que mais deram ao Boafogo nesse jogo, assumindo um papel decisivo não só pelo gol marcado, mas também por todo o trabalho ao nível de pressão e retorno. Sem que tenha a eliminatória sentenciada de modo algum, o “Fogão” viaja para o Paraguai com uma boa vantagem e sabe que caso consiga marcar primeiro, colocará o Olímpia de Pablo Repetto em muito mais lençóis…

Um Capiatá sempre na luta

Foto: "Heuler Andrey / AFP"

Foto: “Heuler Andrey / AFP”

Da ótica do torcedor do Atlético Paranaense, esse resultado frente ao modesto mas lutador e organizado q.b Deportivo Capiatá só pode ser encarado com negatividade. O empate a três dificulta bastante a vida do “Furacão” na Liberta, praticamente obrigando o time a vencer no Paraguai, visto que empatar a mais de três gols seria algo de surreal. O registo do “Furacão” fora de portas na última época não é particularmente famoso, tendência que vai ter que contrariar nessa ida ao Paraguai. Um resultado igual (1-0) ao da partida de volta contra o Millonarios da Colômbia deixará o time de Autuori pelo caminho…

O médio Felipe Gedoz, herói na última eliminatória ao marcar o pênalti decisivo, foi um dos destaque do “Furacão” e fez dois gols, um na cobrança de falta, outro de grande penalidade. O Atlético entrou a vencer, se deixou empatar à beira do descanso, permitiu que o Capiatá passasse para a frente do marcador e voltou a igualar no tal pênalti cobrado por Gedoz – viria a abandonar o gramado com dores apesar de estar a ser o melhor em campo. O defesa Pablo marcou aos 85 o três a dois numa altura em que o adversário estava reduzido a 10 unidades e parecia que a vitória já não ia fugir ao Atlético, até que ao minuto 89, após um escanteio, Nestor González marcou seu segundo gol da conta pessoal e gelou a Arena da Baixada. No retorno à ação, Thiago Heleno e o setor por si comandado não estiveram ao melhor nível exibicional, com o time a ressentir-se disso e a encaixar três gols.

Boas Apostas!