Kazuyoshi Miura é nome familiar para o adepto brasileiro, embora implique esforço de memória. Aos 50 anos e sete dias de idade, o japonês se converteu no futebolista profissional mais velho do mundo ainda em atividade, ultrapassando o mítico Stanley Matthews.

KazuyoshiUm exemplo de longevidade. Kazuyoshi Miura, “Kazu” no mundo do futebol, nasceu a 26 de fevereiro de 1967. O jogador natural de Shizuoka tornou-se recentemente no jogador de futebol mais velho do mundo ainda em atividade, uma semana depois de ter jogado quase uma hora na vitória do “seu” Yokohama FC frente ao Matsumoto Yamaga, em encontro válido pela V-Varen Nagasaki, equivalente ao segundo escalão do futebol japonês. O anterior recorde pertencia a Stanley Matthews, uma autêntica lenda em Stoke-on-Trent que em 1965 (dois anos antes do nascimento de Kazuyoshi)  se tinha tornado no jogador mais velho em atividade quando chegou aos 50 anos e cinco dias de atividade. Depois de bater o recorde de longevidade e entrar na história do futebol, Kazuyoshi falou à imprensa japonesa e o discurso ficou marcado pela humildade: “Não sinto que ultrapassei uma lenda como Stanley Matthews. Posso apenas tê-lo superado em termos de longevidade, mas nunca vou ser capaz de igualar as suas estatísticas e a sua carreira”, declarou. Matthews só conheceu três camisolas ao longo de mais de três décadas de carreira: A do Stoke City, do Blackpool e da seleção inglesa, mas conquistou mais de oitenta títulos na realidade britânica.

A segunda liga japonesa começou nos últimos dias de fevereiro e, até ver, Kazuyoshi Miura foi titular nas duas partidas disputadas pelo Yokohama FC.

Embaixador Kazu

Miura ao serviço do Santos

Miura ao serviço do Santos

A invulgar longevidade garante a Kazu um lugar na história do futebol. O jogador que superou as 50 velas em fevereiro deste ano foi um autêntico embaixador do futebol japonês no estrangeiro e conta com uma carreira curiosa, dividida por quatro continentes distintos. Em 1986, com apenas 15 anos, Kazu deixou seu país para fazer testes nas categorias de base dos brasileiros do Juventus, deixando para trás um percurso de juventude em que atuou pelo Jonai FC e pelo Shizuoka Gakuen H.S. Em 1986, assinou um vínculo com o Santos e se tornou no primeiro japonês a atuar no Brasil, acabando cedido ao rival Palmeiras aquando de uma turnê do “Verdão” pelo Japão. Matsubara, CRB, XV de Jaú, Coritiba e Santos (novamente) foram os times representados por Kazu no Brasil, isso antes de regressar ao Yomiuri (atualmente Tokyo Verdy) para se afirmar no futebol do seu país, realizando quase 200 jogos com essa camisa e mais de 100 golos. As portas da Europa se abriram e o Genoa garantiu seu empréstimo para a temporada 1994/95, antes de uma experiência mal sucedida com o Croatia Zagreb em 1999. Vencedor da Copa da Ásia pelo Japão em 1992, o retorno ao país no início do século XXI, onde tem feito carreira. Assinou pelo Yokohama FC em 2005, passou por uma experiência nos australianos do Sydney FC em 2005, mas já há mais de uma década que defende a camisa dos “Fulie”. Em 2012, na Tailândia, Kazuyoshi Miura integrou a seleção japonesa que disputou o campeonato do mundo de futsal.

Boas Apostas!