Equipe dos USA, ouro 4x200m livre em 2008.

Equipe dos USA, ouro 4x200m livre em 2008.

Ao sabermos que os Estados Unidos é o país que domina as piscinas de forma absoluta, que são os maiores vencedores de olimpíadas e tudo mais, muitos vão dizer que é porque os Estados Unidos tem dinheiro e que investem muito e assim é fácil, porém muitos países também têm condições de fazer investimentos, só que não fazem e quando fazem, não conseguem nem chegar perto dos norte americanos. A supremacia é tão grande dos Estados Unidos nas piscinas que durante as olimpíadas, os norte americanos conquistaram 520 medalhas, o segundo maior ganhador de medalhas é a Austrália que tem 178 medalhas na natação, realmente a diferença é gigantesca, ainda mais para os outros países.

Projeto campeão

Michael Phelps dando aula em projeto social em Nova York.

Michael Phelps dando aula em projeto social em Nova York.

Em 1956 nas olimpíadas de Melbourne na Austrália, os Estados Unidos tomou um baile justamente da Austrália, foram 8 ouros contra 2, uma goleada. Os norte americanos decidiram que alguma coisa precisava ser feita, como fabricariam campeões para o futuro? A solução foi fazer um projeto duradouro, que tivesse resultados a longo prazo. A melhor saída que eles acharam foi encher o país de piscinas e investir nas crianças, apostando nas próximas gerações. Foram criados programas de natação por idade, incentivando os pais a levarem seus filhos desde pequenos a praticarem o esporte. O que para as crianças, inicialmente é apenas uma brincadeira, aos poucos vai se tornando um esporte que a criança gosta e depois não quer mais largar, vários eventos existem para incentivar a prática, são festivais, gincanas e pequenas competições, que com o tempo, criam gosto pelo esporte e a prática competitiva.

Ao ser entrevistado e questionado sobre qual era o segredo do projeto de sucesso dos Estados Unidos, o qual revela grandes atletas, o treinador da seleção americana Dave Salo disse: “A natação para a criançada virou um fenômeno cultural nos Estados Unidos, existe uma padronização do que fazer e ensinar para cada faixa etária, as crianças estão sempre se divertindo e aprendendo”. O Estado da Califórnia foi o que mais recebeu atenção neste projeto, por não ter um inverno rigoroso, consegue manter as crianças na piscina o ano todo. Lembrando que em muitas regiões dos Estados Unidos, na época de inverno chega a nevar em grande quantidade, impossibilitando muitas vezes a prática da natação, que necessitaria de piscinas cobertas e aquecidas.

Hoje a federação americana de natação tem 330 mil nadadores cadastrados, isto é impressionante, comparado com outros países. Para se ter uma ideia, a federação brasileira de natação tem praticamente 15 mil nadadores. Os Estados Unidos valorizam todos os atletas inscritos, tanto em escolas, universidades e clubes profissionais existe sempre um treinamento específico que transforma potencial em resultado, entenda-se resultado como medalhas olímpicas.

Ex-campeões olímpicos participam do projeto

Ex-nadador Gary Hall Jr., com seu estilo irreverente, conquistou 10 medalhas olímpicas.

Ex-nadador Gary Hall Jr., com seu estilo irreverente, conquistou 10 medalhas olímpicas.

O ex-atleta Gary hall, ganhador de três medalhas olímpicas, acrescentou: “O sistema de clubes formadores é o coração da natação americana e a Califórnia está no centro de tudo isso, foi assim que estabelecemos as raízes do nosso sucesso”.

Mark Pitz, nadador californiano, foi o grande medalhista das olimpíadas de Munique em 1972, conquistando 7 medalhas de ouro, foi até então o atleta olímpico mais premiado da história. Ao total Pitz conquistou 11 medalhas. Mark Pitz comentou “Existiam naquela época mais de 200 mil nadadores no país, e só existia um Mark Pitz, porque? Porque eu acreditava em mim, era rápido, você tem que se dedicar, aguentar o sofrimento dos treinos e não ficar sentindo pena de si mesmo”. Sua ideologia influenciou muitos atletas do futuro!

Outro ex-atleta olímpico é o também californiano Gary Hall, que  conquistou três medalhas nas décadas de 60 e 70 comentou: “Todos passaram a olhar a natação de um maneira diferente depois de Mark Pitz, os pais resolveram levar seus filhos para nadar. ” Gary Hall Jr. Filho de Gary Hall, ultrapassou o pai e conquistou 10 medalhas olímpicas e o atleta tinha um jeito “maluco” de se apresentar nas provas de natação, vestido com roupões estampando a bandeira americana. O próprio Gary Hall Jr. Comenta: “Naquela época as lutas livres eram populares e eu entrava vestido como um lutador, tinha a ver com meu senso de humor”. Com acontecimentos como este, as crianças viam que nadar era legal e mais e mais crianças buscavam a natação como esporte principal.

Um exemplo de talento bem aproveitado durante o período estudantil foi a ex-nadadora Janet Evans, que conquistou 5 medalhas olímpicas. A nadadora era uma adolescente magra e desengonçada, porém seu treinador no colégio identificou seu potencial e isto foi crucial para sua carreira vitoriosa. Ela ganhou 3 medalhas com apenas 17 anos nas olimpíadas de 1988 em Seul. Na ocasião , Janet foi assediada por grandes patrocínios, porém ela não aceitou, pois queria defender uma universidade, cultura muito valorizada nos Estados Unidos.  Lá os atletas são incentivados pelas universidades, ganham bolsas e participam de competições entre as instituições de várias regiões do país, mas não podem receber dinheiro por isso. Os jovens parecem não se importar, são muito competitivos e fazem isso com prazer. Com tanta competitividade, sobram atletas formados que terão profissão e a garantia de um futuro, seja no esporte ou na vida.

Matthew Biondi, conquistador de 11 medalhas olímpicas, é um ex-nadador dos Estados Unidos que hoje é professor de matemática. Ele foi um precursor das carreiras pós-olímpicas, pois até os anos 90, atletas tinham dificuldades em seguir na natação após a vida olímpica. Ele começou viajar para a Europa e disputar torneios, conseguiu patrocínios e mostrou a federação americana de natação que isto era viável, muitos seguiram seu exemplo após isso, foi o início de clubes com profissionais da natação. A valorização dos campeões olímpicos e a interação destes ex-atletas com clubes, escolas, universidades e a federação americana de natação, juntamente com este projeto de incentivo as crianças geraram, estão gerando e vão gerar muitos campeões olímpicos para os norte americanos.

Michael Phelps, um exemplo para os futuros campeões

Michael Phelps ensinando uma aluna a flutuar na água.

Michael Phelps ensinando uma aluna a flutuar na água.

A grande sensação da natação olímpica norte americana, e mundial é o nadador Michael Phelps, atual recordista de medalhas em olimpíadas. Phelps é devedor a todas estas gerações que plantaram durante décadas para que agora grandes frutos fossem colhidos.

Michael Phelps disse em entrevista: “Defender a bandeira de meu país nas piscinas era um sonho que eu tinha desde pequeno. O resultado dos oito ouros conquistados na olimpíada é resultado de eu trabalhar em um país com tantos profissionais qualificados”. Michael Phelps tem noção de todo este projeto e sabe que ajudará o país, não somente com suas medalhas conquistadas, mas com a sua colaboração nos projetos existentes que podem resultar em novos talentos para o futuro, Phelps já é comprometido em ajudar os jovens, o atleta explica: “Com os feitos que consegui, creio que consigo orientar crianças para crescerem felizes, saudáveis no esporte e posso dizer que eles podem alcançar tudo o que sonharem”. Após ser entrevistado depois de uma aula em que ensinou alunos de um projeto social em Nova York, Phelps disse: “Meu sonho é tentar fazer com que as pessoas fiquem mais envolvidas com a natação, mas que também pratiquem mais exercícios”. Este é o espírito dos norte americanos, com a participação de ídolos, a engrenagem vai girando e o resultado de tudo isso, são futuros campeões, sim os Estados Unidos é um país rico, mas fizeram um sistema que gera sempre novos campeões. Eles são os reis das piscinas!

Confira nosso outro texto sobre o grande campeão Michael Phelps:

Michael Phelps estará no Rio 2016

Boas Apostas!