O Atlético Nacional de Medellín chegou no Mundial de Clubes como um dos favoritos ao título, devido as boas atuações durante a Copa Libertadores. Porém, não conseguiu chegar a final e acabou ficando com o terceiro lugar, conquistado na manhã do último domingo.

Logo no primeiro jogo do Mundial, a equipe colombiana, mesmo tendo mais volume de jogo e tendo ótimas oportunidades de marcar seus gols, acabou saindo derrotado por 0x3 contra o Kashima Antlers. A equipe japonesa abriu o placar aos 33’ do primeiro tempo com um pênalti muito polemico, envolvendo o auxilio do árbitro de vídeo. Na sequência da partida, o Atlético Nacional colocou duas bolas da trave, porém, sem conseguir marcar gols, e acabou vendo seu adversário ser mais efetivo, marcando outros dois gols no final da partida. Com essa derrota, a equipe colombiana deixou passar a chance de disputar a final do principal título de um clube, indo disputar o terceiro lugar com o América do México, que havia perdido para o Real Madrid na outra semifinal.

Na disputa pela terceira colocação no Mundial de Clubes de 2016, o Atlético Nacional saiu na frente, com um gol contra de Samudio, que tentou cortar o lançamento de Berrío, mas acabou mandando a bola para dentro do gol. Depois de abrir o placar, a equipe colombiana continuou com um bom ritmo, ampliando aos 26’ do primeiro tempo com o experiente meio-campista Guerra, que receber cruzamento rasteiro e bateu de primeira para abrir 2×0 contra o América. Porém, antes do apito final da primeira etapa, a equipe mexicana melhorou e conseguiu diminuir o placar, marcando com Arroyo aos 38’. Já na segunda etapa, o América manteve um pressão forte contra o Atlético, chegando ao empate aos 20’ do segundo tempo, quando o experiente Peralta converteu uma penalidade sofrida por Samudio.

A partir daí, o jogo se equilibrou, mantendo o empate durante o resto do segundo tempo e durante as duas partes da prorrogação. Chegando às penalidades que decidiriam que seria o terceiro melhor clube no Mundial de Clubes, o América do México converteu três cobranças, com Quintero, Peralta e Arroyo, enquanto o Atlético Nacional de Medellín converteu com Mosquera, Bocanegra, Macnelly Torres e o artilheiro Borja, o qual cobrou o último pênalti e deu o terceiro lugar a equipe colombiana.

Campeão da Libertadores e o Fair Play 2016

Atacante Borja com a taça de campeão da Libertadores 2016.

Atacante Borja com a taça de campeão da Libertadores 2016.

O Atlético Nacional chegou ao Mundial de Clubes da FIFA depois de ter sido o grande campeão da Copa Libertadores da América de 2016, o time colombiano foi a grande sensação da competição, o time conseguiu fazer a melhor campanha de um time na Libertadores desde 1989, quando a competição assumiu o formato atual. O Atlético Nacional conquistou 33 pontos dos 42 disputados, cerca de 78,6% de aproveitamento. A única derrota do Atlético Nacional foi para o Rosario Central por 1×0, primeira partida das quartas de final, porém o Atlético Nacional venceu o segundo jogo por 3×1. O grande responsável pelos gols do Atlético Nacional foi o atacante Miguel Borja com cinco gols marcados. Borja chegou ao time nas semifinais da competição, para substituir o atacante Copete que foi vendido para o Santos FC, Borja simplesmente fez 4 gols na semifinal, 2 gols no jogo de ida contra o São Paulo na vitória de 0x2 e 2 gols no jogo de volta contra o São Paulo na vitória de 2×1, na final fez mais um e igualou-se à Pele, conseguindo marcar 5 gols nas fases finais de uma Libertadores da América.

O Atlético Nacional teve destaque mundial na ocasião da final da Copa Sul-Americana de 2016, quando o time brasileiro da Chapecoense em viagem sentido a Medellín, sofreu um trágico acidente que vitimou 71 pessoas, quase 50 integrantes do clube brasileiro entre jogadores, comissão técnica e dirigentes do clube, além de mais de 20 integrantes da imprensa que cobriria a partida da final. Com este ocorrido, houve uma total mobilização da torcida e diretoria do Atlético Nacional para fazer uma cerimônia de homenagem para a Chapecoense, a torcida lotou o estádio que seria palco da grande final e fez uma grande homenagem as vítimas do trágico acidente. Além disso, a diretoria do clube oficializou um pedido junto a CONMEBOL (Confederação Sul-Americana de Futebol) para que o título de campeão da Copa Sul-Americana fosse entregue ao clube brasileiro Associação Chapecoense de Futebol, o qual foi oficialmente declarado o campeão da competição. Esta atitude do Atlético Nacional, foi considerado o maior gesto de Fair Play do ano de 2016, ganhando o prêmio Campeão Fair Play da CONMEBOL  2016.

Boas Apostas!