Depois de encantar os europeus com uma ótima e surpreendente campanha na Eurocopa de 2016, a seleção da Islândia fará neste sábado, dia 16/06, sua estreia numa Copa do Mundo, às 10hrs (horário de Brasília), ao jogar contra a seleção da Argentina pelo Grupo D do Mundial da Rússia. Para quem não acompanhou o principal torneio entre seleções da Europa há dois anos e nem as Eliminatórias europeias para a Copa de 2018, confira abaixo um pouco sobre a história da seleção nórdica que promete chamar atenção novamente dos torcedores.

Investimento para melhorar o futebol no país

Heimir Hallgrímsson, técnico da seleção da Islândia.

Heimir Hallgrímsson, técnico da seleção da Islândia.

Para ficar entre as principais seleções do futebol mundial neste ano, a Islândia tratou de investir em melhorias para evoluir o futebol dentro do país. Entre as décadas de 1990 e 2000, a país investiu pesado na construção de campos com gramados artificiais cobertos e ao ar livre, buscando incentivar a pratica do futebol entre os habitantes. Outra medida tomada pelos islandeses foi a exigência de que todos os treinadores da Islândia tornassem-se profissionais. Resultado disso é que hoje o país tem 25 mil pessoas ligadas à Associação Islandesa de Futebol, incluindo jogadores e treinadores.

Além disso, atualmente a Uefa, entidade responsável por comandar o futebol europeu, conta com praticamente mil treinadores islandeses associados, o que mostra o crescimento na busca por profissionalização entre os nórdicos e também o quanto a população passou a gostar de futebol.

Resultado de tanto investimento

Jogadores da Islândia com seus torcedores após vitória na Eurocopa de 2016.

Jogadores da Islândia com seus torcedores após vitória na Eurocopa de 2016.

Demorou um pouco, mas o resultado dos investimentos finalmente apareceu. Nas Eliminatórias para a Eurocopa de 2016, marcada para acontecer na França, a seleção da Islândia ficou invicta em casa (vencendo quatro dos cinco jogos que disputou como mandante) e terminou na segunda posição do Grupo A, classificando-se de forma inédita para a Euro e ficando a frente até mesmo da tradicional seleção da Holanda. Chegando à França, a equipe nórdica terminou a fase de grupos novamente sem ser derrotada, empatando com a seleção de Portugal, que depois conquistaria o título. Na fase eliminatória, a Islândia passou pela Inglaterra ao vencer 2×1 e só foi eliminada nas quartas de final pela seleção anfitriã, deixando a Eurocopa com uma ótima e surpreendente campanha de estreia na competição.

Durante os meses seguintes, a seleção islandesa, motivada com a campanha da Euro, iniciou as Eliminatórias para a Copa do Mundo já com uma singela candidata a lutar por uma vaga no Mundial da Rússia. Novamente protagonizando resultados surpreendentes, terminando as Eliminatórias com cinco vitórias em cinco jogos como mandante, além de mais duas vitórias como visitante que permitiram que ficasse na liderança do Grupo I da competição, resultando assim na classificação inédita e direta da seleção, que assim pode continuar sua ascensão no cenário mundial do futebol.

Na Copa do Mundo da Rússia, a seleção da Islândia enfrentará dois adversários difíceis, a seleção da Argentina, comandada por Lionel Messi, e a seleção da Croácia, que tem Modric e Rakitic como seus craques no meio campo, além da seleção da Nigéria, que não tem um ótimo elenco, mas pode fazer uma boa Copa do Mundo e atrapalhar os adversários do Grupo D.

A convocação da Islândia para a Copa do Mundo da Rússia

Goleiros: Hannes Pór Halldórsson (Randers-DEN), Frederik Schram (Roskilde-DEN) e Rúnar Alex Rúnarsson (Nordsjaelland-DEN);

Defensores: Ari Freyr Skúlason (Lokeren-BEL), Hördur B. Magnússon (Bristol City-ING), Hólmar Örn Eyjólfsson (Levski Sofia-BUL), Kári Árnason (Aerdeen-UK), Sverrir Ingi Ingason (Rostov-RUS), Ragnar Sigurdsson (Rostov-RUS), Samúel K. Fridjónsson (Valereng-NOR) e Birkir Már Saevarsson (Valu-ISL);

Meias: Jóhann Berg Gudmundsson (Burnley-ING), Arnór Ingvi Traustason (Mälm-SWE), Aron Einar Gunnarsson (Cardiff City-ING), Ólafur Ingi Skúlason (Karabukspo-TUR), Gylfi Sigurdsson (Everton-ING), Emil Hallfredsson (Udinese-ITA) e Birkir Bjarnason (Aston Villa-ING);

Atacantes: Rúrik Gíslason (Sandhausen-ALE), Björn B. Sigurdarson (Rostov-RUS), Albert Gudmundsson (PSV-HOL), Alfred Finnbogason (Augsburg-ALE) e Jón Dadi Bödvarsson (Reading-ING).