São as duas grandes surpresas da Liga dos Campeões 2018/19 e vão estar frente a frente na briga por um lugar na decisão da competição de clubes mais importante do continente europeu. Tottenham e Ajax vestem a pele de “underdogs” e provam que mais do que na quantidade de milhões investidos, o segredo para o sucesso reside na boa gestão.

Estabilidade em Londres

Foto: "Reuters"

Foto: “Reuters”

A construção de um novo estádio levou Daniel Levy, presidente do Tottenham, a colocar um travão ao investimento realizado no reforço do elenco, preservando, no entanto, os principais ativos do clube – Dembélé e N’Koudou foram as únicas saídas. No verão não houve quem chegasse a Londres e no inverno a situação se repetiu, fazendo com o que Tottenham se convertesse no primeiro clube da história do futebol inglês a não assegurar nenhuma contratação durante toda uma época esportiva. Apesar da boa campanha europeia, a temporada não foi tão fácil assim para o time comandado pelo argentino Mauricio Pochettino, técnico que chegou a estar privado de alternativas como Kane ou Dele Alli. No entanto, na hora de definir o acesso às semis com o “multi milionário” Manchester City, foi o time londrino quem sorriu. Após uma vitória por um a zero no seu novo palco, na capital britânica, o Tottenham perdeu por quatro a três em uma partida eletrizante disputada no Etihad, ditando a eliminação adversária. A cumprir sua terceira temporada em Manchester, Pep Guardiola já investiu 608 milhões de euros. Na presente temporada, o técnico catalão havia solicitado à diretoria do clube um investimento mais baixo que em anos anteriores, gastando “apenas” 77 milhões de euros, 67 deles em Riyad Mahrez. Ainda não foi desta que o City se impôs na Liga dos Campeões…

Os “meninos” de Amesterdão

Único representante de uma liga “periférica” nessa fase da Liga dos Campeões da Europa, o Ajax deixou para trás o campeão em título e a Juventus de Cristiano Ronaldo, reclamando para si o estatuto de maior surpresa da competição. Os “Godenzonen” que na última temporada nem sequer tinham marcado presença na Liga dos Campeões são conhecidos pela qualidade da sua “cantera” e a verdade é que foi mesmo nela que encontraram boa parte das soluções para levar a cabo a atual campanha. Ora, olhando para os jogadores mais utilizados nesse duplo enfrentamento com a Juve, se note que cinco elementos foram formados no time de Amesterdão, a saber – Mazraoui, Veltman, Schone, De Ligt e van de Beek, os últimos dois autores dos gols que deram a vitória em Turim. Há ainda duas soluções “low cost” a destacar, uma delas que já rendeu milhões de euros ao Ajax dado que está vendido ao Barcelona – falamos de De Jong, contratado ao Willem II por menos de meio milhão de euros. O goleiro Onana foi também uma solução “low cost”, ao passo que Blind já levou a um investimento maior para promover seu retorno do Manchester United. O brasileiro David Neres, contratado ao São Paulo, custou cerca de 11 milhões de euros, valores idênticos aos despendidos nas contratações de Ziyech e Tadic.

Boas apostas!