O técnico Marcelo Lippi de 68 anos, que foi campeão do mundo com a Itália em 2006, foi um grande técnico com mais de três décadas só na função de treinador, fora a carreira que teve como jogador, que acumula mais treze anos em seu currículo.

Guangzhou Evergrande, campeão da Champions League asiática (2013).

Guangzhou Evergrande, campeão da Champions League asiática (2013).

Marcelo Lippi, se aposentou em 2014, após ter comandado a equipe chinesa Guangzhou Evergrande, onde depois de ter assumido o time em 2012, conseguiu conquistar três Campeonatos Chineses consecutivos e uma Champions League asiática.

Agora, depois de dois anos aposentado, resolveu voltar a trabalhar aceitando um grande desafio, reatar seu projeto no futebol chinês, só que agora será o novo técnico da seleção chinesa. O técnico que já teve passagens por clubes italianos como Juventus e Internazionale, conseguiu se consagrar na China, porém mesmo depois de anunciar sua aposentadoria, resolveu voltar ativa. A Associação Chinesa de Futebol anunciou em seu site oficial: “A Associação Chinesa de Futebol decidiu nomear o sr. Lippi como treinador da equipe nacional masculina da China após negociações amigáveis”

Os valores da negociação e salários que o técnico receberá por treinar a seleção chinesa ainda não foram divulgados, porém de acordo com a imprensa estrangeira, Lippi receberá € 18 milhões (R$ 61,7 milhões) anuais ou cerca de R$ 5 milhões mensais.

Carreira de Marcelo Lippi

Marcelo Lippi no Sampdoria (década de 1970).

Marcelo Lippi no Sampdoria (década de 1970).

Marcelo Lippi iniciou seus primeiros passos no futebol no clube italiano Stella Rossa Viareggio em 1963 quando tinha apenas 16 anos de idade, o zagueiro logo chamou a atenção de outros clubes e em 1969 quando já tinha 22 anos, foi contratado pelo Sampdoria. O Sampdoria vendeu o jogador para o Savona por onde permaneceu por dois anos e voltando para o Sampdoria em 1970, iniciou uma trajetória de uma década no clube. Em 1980 foi para o Pistoiese onde encerrou sua carreira de jogador em 1982 com 29 anos, chegou a atuar na seleção italiana por duas ocasiões.

Sua carreira de técnico iniciou no mesmo ano, assumindo a equipe B do Sampdoria, onde ficou até 1985. Após isso, o técnico pasosu por mais oito times italianos até chegar em 1992 ao Atalanta, onde conquistou o Torneo di Viareggio em 1993, chamando assim a atenção da  Juventus, clube que o contratou em 1994. Na Juventus o técnico conseguiu fazer o clube ultrapassar o grandioso Milan e fez a Juventus conquistar cinco títulos do Campeonato Italiano, uma Copa Itália, quatro Supercopas da Itália. Além disso, o técnico ajudou o time da Juventus a conquistar uma Liga dos Campeões em 1995/96 e uma Supercopa Europeia em 1996. No total, o técnico Lippi ficou na Juventus de 1994 a 1999, depois foi para a Internazionale onde ficou de 1999 a 2000. Em 2001 voltou para a Juventus, onde ficou até 2004. Naquele ano de 2004, Lippi foi chamado para assumir a seleção da Itália e em 2006 seria campeão da Copa do Mundo, alcançando o auge de sua carreira. O técnico deixou a seleção naquele ano e ficou longe das atividades até 2008, quando voltou a treinar a seleção ficando até 2010. Novamente se ausentou dos trabalhos e em 2012 aceitou o desafio de treinar uma equipe do futebol chinês, o Guangzhou Evergrande, conquistando três Campeonatos Chineses consecutivos e uma Champions League asiática. Em 2014, Lippi declarou sua aposentadoria, porém agora depois de dois anos na inatividade, o técnico novamente surpreende a todos e aceita mais um grande desafio, treinar a seleção chinesa em busca de uma classificação heroica para a Copa do Mundo de 2018.

Desafio na seleção chinesa

Marcelo Lippi, campeão do mundo com a seleção da Itália em 2006.

Marcelo Lippi, campeão do mundo com a seleção da Itália em 2006.

Embora tenha enorme experiência no futebol como jogador e técnico, chegando até a ser campeão do mundo com a seleção italiana em 2006,  mesmo tendo obtido muito sucesso em sua passagem pelo clube chinês Guangzhou Evergrande, o desafio a frente da seleção chinesa deverá ser grande. A seleção chinesa encontra-se na lanterna das Eliminatórias asiáticas da Copa do Mundo de 2018, somando apenas um ponto na competição. Quem lidera o Grupo 1 é a seleção do Irã com dez pontos. O vice-líder é o Uzbequistão com nove pontos. O terceiro colocado é a Coreia do Sul com sete pontos, a Síria é a quarta colocada com quatro pontos e o Catar com três pontos é o vice-lanterna do grupo. O técnico antecessor de Lippi, Gao Hongbo, pediu demissão após a derrota da seleção da China para o Usbequistão no último dia 11 por 2×0 fora de casa.

Esta terceira etapa das eliminatórias asiáticas é composta por dez seleções que ficam divididas em dois grupos com cinco seleções. Todas as seleções se enfrentam em jogo de ida e volta, os dois primeiros colocados se classificam para a Copa do Mundo de 2018, os terceiros colocados se enfrentam e o vencedor disputa a repescagem contra um membro da Concacaf. Mesmo com quatro rodadas já disputadas, a China que somente acumulou um ponto, tem chances de se classificar, pois ainda faltam seis rodadas com 18 pontos em jogo, porém o técnico Lippi deverá começar a vencer já na próxima rodada que é no dia 15 de novembro contra a seleção do Catar, a vice-lanterna do grupo.

Boas Apostas!