O Sevilha é o primeiro apurado para a final da Copa do Rei 2017/18. O time do sul de Espanha aguarda o desfecho do segundo desafio entre Valência e Barcelona, agendado para essa noite, no Mestalla.

Foto: "Julio Muñoz"

Foto: “Julio Muñoz”

O resultado da partida de ida abria as portas da final ao Sevilha. O empate a um gol no Municipal de Butarque, casa do Leganés, deixava o time andaluz em vantagem para a o jogo decisivo, no Sánchez Pizjuán.

Tomando como exemplo o desfecho da eliminatória discutida pelo Leganés com o Real Madrid que culminou com a eliminação do time “merengue”, o Sevilha não se encostou à vantagem que trazia do primeiro jogo e procurou chegar ao gol desde início. Apesar da boa resposta dada pelo Leganés, o time da Andaluzia se adiantou logo aos 15 minutos por intermédio de Joaquín Correa após assistência de Luís Muriel, colombiano que tinha apontado o gol sevilhano no Butarque. A vantagem dava algum conforto ao Sevilha, mas um gol do Leganés bastaria para voltar a deixar tudo empatado.

Após um primeiro tempo em que o Leganés até foi o time mais atrevido no gramado, o Sevilha soube controlar o segundo tempo e fez o gol da classificação já bem perto do apito final. Aos 44 da etapa complementar, Franco Vázquez fez o dois a zero e dissipou todas as duvidas, levando o Sevilha para a decisão da competição.

O Sevilha assegurou a sua nona presença em uma final da Copa do Rei, prova que já conquistou em cinco ocasiões, a última delas na temporada 2009/10. O time do Pizjuán é o sétimo com mais edições da Copa do Rei no seu historial e poderá muito bem vir a enfrentar o maior campeão da prova na decisão: o Barcelona, atual detentor do troféu que já ergueu a Copa do Rei em 29 ocasiões.

Decisão no Mestalla

Uma semana depois de se terem defrontado em Camp Nou, Valência e Barcelona voltam a medir forças nessa quinta-feira (8), desta vez no Mestalla. Um gol solitário do atacante uruguaio Luis Suárez faz, para já, a diferença na eliminatória.

Marcelino Toral e Ernesto Valverde não deverão proceder a grandes alterações para o encontro, ou não estivesse em discussão um lugar na final da segunda prova mais importante do calendário espanhol. O Barcelona, vencedor das últimas três edições do troféu, quer travar a ambição de um Valência que tenta regressar a uma final volvidos dez anos. “Culés” e “Ché” se defrontaram pela última vez em uma semi da Copa do Rei na temporada 2015/16 e foi o time da “Cidade Condal” a avançar para a final.

Boas Apostas!