O Santos está de regresso a prova de clubes mais importante da América do Sul após quatro anos de ausência. O sorteio da Libertadores 2017 realizado em Luque, no Paraguai, colocou dois campeões no caminho do “Peixe”. O vice-campeão brasileiro vai ter que brigar com Santa Fe (Colômbia) e Sporting Cristal (Peru) por uma vaga nas oitavas de final. The Strongest, Universitario de Sucre, Montevideo Wanderers, Cerro e Union Española são as possibilidades para fechar a chave do grupo 2.

Foto: "Guilherme Dionizio/Folhapress"

Foto: “Guilherme Dionizio/Folhapress”

O torcedor santista pode respirar de alívio. O Santos, tricampeão da Liberta, está de volta ao grande palco do futebol sul-americano em 2017, visto que o vice-campeonato brasileiro em 2016 garante entrada direta na fase de grupos da competição. No retorno à Vila Belmiro, o experiente Dorival Júnior foi capaz de colocar o “time” em uma prova que não disputava desde a saída de Neymar. O último golo do Santos na fase final de uma Liberta foi mesmo apontado pelo internacional brasileiro que agora veste a camisa do Barça, a 21 de junho de 2012, na segunda partida das “semis” (Libertadores 2012) frente ao Corinthians (2-1), no Pacaembu. O “Peixe” tem boas chances de fazer uma boa campanha na Libertadores 2017 pelo facto de conseguir manter a base do elenco bem como pela sua consistência.

Santa Fe

A Libertadores 2016 fica na memória pela grande campanha do Atlético Nacional, time colombiano que levantou o troféu pela segunda vez na sua história, desta vez sem a “mão amiga” do narcotraficante Pablo Escobar, em um mito alimentado na Colômbia pelas torcidas rivais do time de Medellín. O time do Santa Fe também participou da Libertadores 2016, mas teve uma prestação mais modesta que a dos compatriotas. Terminou sua participação no grupo 8 (juntamente com Corinthians, Cerro Porteño e Cobresal) como terceira colocada e foi eliminada logo aí.

O time de Bogotá levantou o troféu do Clausura 2016 no mês de dezembro, vencendo o Tolima na final a duas mãos (0-0; 1-0). Nas “semis”, passou em cima do Atlético Nacional, mas o técnico Reinaldo Rueda escalou um time com reservas, visto que a data da partida de ida coincidiu com  participação no Mundial de Clubes, no Japão. O estádio El Campín se situa a 2 600 metros de altitude e esse pode ser um contra para o Santos. Gustavo Costas é o técnico do Santa Fe, argentino que tinha orientado o time na conquista da Copa Sul-Americana em 2015, em momento alto da ascensão colombiana nos últimos anos. O Santos precisa se preocupar com o rival colombiano.

Sporting Cristal

A discussão do título peruano em 2016 aconteceu entre as duas maiores forças daquele país na atualidade. Sporting Cristal (campeão) e Melgar (vice-campeão= são nomes já conhecidos no panorama sul-americana pelas participações recentes na Libertadores. Na última edição da competição, o time do Sporting Cristal foi bem melhor que o rival Melgar, mas nenhum dos times conseguiu uma vagas nas oitavas da competição. Enquanto o Melgar nem pontuou no grupo 5 (junto com Atlético Mineiro, Independiente del Valle e Colo-Colo), o rival Sporting Cristal ficou pelo grupo 4 com quatro pontos conquistados (Atlético Nacional, Huracán e Peñarol). Curiosamente, os dois times enfrentaram campeão e vice-campeão da última edição da Liberta e este ano já estão garantidas na fase de grupos. Longe do tempo em que exibida capacidade para ir até à decisão (1997), o Sporting Cristal quer brigar pelas oitavas. O técnico argentino Mariano Soso deixou o cargo em dezembro e foi rendido pelo peruano José Guillermo del Solar, retornado ao clube depois após mais de uma década. Com os experiente Carlos Lobatón e Diego Ifrán como referências, o Sporting Cristal precisa se reforçar para evitar a queda já na fase de grupos.

Universitario de Sucre, The Strongest, Montevideo Wanderers, Cerro ou Unión Española?

Foto: "Foto: Reprodução/Twitter"

Foto: “Foto: Reprodução/Twitter”

Se questionarem Dorival Júnior, José Guillermo del Solar e Gustavo Costas sobre que times querem evitar, é bem provável que a resposta seja unânime e cite os dois emblemas bolivianos: Universitario de Sucre e The Strongest. A altitude é um “handicap” complicado e com muita influência tal como têm provado as últimas edições da Liberta. O Universitario de Sucre é atravessa uma má fase esportiva e econômica, mas os 2 800 metros de altitude são um factor difícil de contrariar. O The Strongest é provavelmente o time boliviano mais temido (mais que o próprio Bolívar), não só pelos 3 600 metros de altitude, mas também pela qualidade do elenco aliada à experiência de alto nível na Libertadores. Os dois uruguaios não deverão dar tanto trabalho aos rivais, enquanto os chilenos do Unión Española, treinados por Martín Palermo, têm um time bem armado mas que dificilmente conseguirá se impor na Liberta.

Boas Apostas!