A saída de Aubameyang do Borussia Dortmund é, cada vez mais, um dado adquirido. O atacante gabonês, artilheiro da Bundesliga 2016/17 com 31 gols marcados, se prepara paradeixar o Westfalenstadion e pretendentes não faltam, embora a imprensa internacional cite o retorno a França como o cenário mais provável.

Foto: "DFP"

Foto: “DFP”

Entrevista após a vitória sobre o Werder Bremen (4-3) na derradeira rodada do campeonato alemão, Aubameyang citou a possibilidade de deixar o clube, surpreendo inclusive o tradutor que o acompanhava. Dias antes da final da Copa da Alemanha em que o Borussia Dortmund se viria a superiorizar ao Eintracht Frankfurt com um gol de Aubameyang, o jornal alemão “Bild” noticiou que o atacante estaria a forçar sua saída junto da diretoria do time, colocando um ponto final em um percurso de quatro temporadas com a camisa amarela e negra. Uma coisa é certa: Interessados não faltam e o assédio chega das mais diversas latitudes. Em janeiro deste ano, o futebol chinês terá clamado pelo jogador, mas Aubameyang não demonstrou interesse em deixar a Europa. O Real Madrid é outros dos emblemas que aparenta ter sempre Aubameyang na respetiva agenda, porém, o futuro do jogador poderá passar por França, país em que nasceu. Com contrato até 2020, a ligação ao Borussia Dortmund estará perto do fim, mas não sem uma avultada compensação financeira para o clube germânico.

Pierre-Emerick Aubameyang já partiu para férias e é pouco provável que volte a Dortmund, deixando o seu representante encarregue pelas negociações. A imprensa alemã escreve que o jogador esvaziou o cacifo do centro de treinamentos e a sua residência terá sido esvaziada. O portal “Goal” vai mais longe e escreve que o atacante gabonês já terá adquirido uma casa em Paris.

Tudo indica que o futuro de Aubameyang passa pelo PSG e o Bild adianta valores concretos relativos à transferências. Segundo o diário alemão, os parisienses estão dispostos a pagar 80 milhões de euros (R$ 292 milhões) ao Borussia Dortmund pela cedência dos direitos desportivos do jogador, prometendo ao próprio um salário a rondar os 10 milhões de euros por ano (R$ 36,5 milhões). Os alemães escrevem que o Borussia Dortmund terá aceite o valor proposto pelo PSG, dando “luz verde” para iniciar conversações com o jogador que já demonstrou vontade de retornar à Ligue 1, contexto competitivo em que esteve pela última vez na época 2012/13, quando representava o Saint-Étienne.

A questão do “fair-play” financeiro poderá condicionar a atuação do PSG no mercado, por muito que o proprietário Nasser Al-Khelaiffi relativize a questão. O principal objetivo para a temporada que se avizinha passa por chegar longe na Liga dos Campeões, isto depois de uma edição que acabou com uma autêntica desilusão frente ao Barcelona. Unai Emery deverá permanecer no comando técnico da equipa, uma vez que o proprietário reforçou recentemente total confiança nas capacidade do treinador espanhol.

Boas Apostas!