O Signal Iduna Park, em Dortmund, recebeu o amistoso entre Alemanha e Inglaterra na noite dessa quarta-feira, 22 de março. A partida ficou marcada pela despedida de Lukas Podolski, campeão do mundo pela “die Mannschaft” que foi chamado por Joachim Low para seu último compromisso com o time nacional. O futebol “soube ser bonito” foi dos pés do atacante germânico que surgiu o gol que sentenciou a partida.

Poldi130 jogos, 49 golos. Foi com esse registo que Lukas Podolski se despediu da seleção alemã. No Signal Iduna Park, a noite era de festa. O seleccionador Joachim Low tinha integrado o atacante na convocatória precisamente para que realizasse uma despedida digna com a camisa da seleção da Alemanha. Lukas Podolski foi figura habitual nas convocações da seleção alemã ao longo da última década, ajudando a “máquina germânica” em um dos períodos mais gloriosos da sua história, marcado pela conquista do Mundial de 2014 no Brasil, competição que provou a essência da célebre frase: “O futebol é 11 contra 11 e no final ganha a Alemanha”. E assim foi. A Alemanha venceu a Argentina na decisão, depois de passar em cima do Brasil da forma que todos conhecemos.

No gramado do palco situado na Renânia-Westfália, o jogo valeu essencialmente pelos primeiros 45 minutos, período em que as duas equipas se apresentaram mais ritmadas. O momento chave do primeiro tempo foi uma bola enviada ao ferro da baliza alemã por Adam Lallana. A intensidade caiu no segundo tempo e as duas equipes entraram em gestão para os compromissos oficiais – a Alemanha defronta o Azerbaijão e a Inglaterra enfrenta a Lituânia – que se avizinham, mas foi a Lukas Podolski que pertenceu o grande momento da noite. O atacante que atualmente representa o Galatasaray recebeu de Schurrle e à entrada da área, de pé esquerdo, atirou forte e colocado para a rede inglesa, sem chance de defesa para o goleiro Joe Hart. O grande momento da partida só poderia ser protagonizado por Lukas Podolski, atacante que deixou sua marca (decisiva) na partida antes de ser substituído a sensivelmente cinco minutos do apito final para ser aplaudido de pé por todos os presentes no estádio. O 49º gol pela seleção alemã fechou com “chave de ouro” o percurso de Podolski na defesa das cores nacionais. Antes do início a partida, as bancadas do Signal Iduna Park já tinham demonstrado seu respeito por Lukas Podolski ao erguerem um bonito mosaico na “Sudtribune”, exibindo as cores da Alemanha juntamente com o apelido do atacante: “Poldi”.

Vissel Kobe é o próximo desafio

Foto: "INA FASSBENDER/AFP"

Foto: “INA FASSBENDER/AFP”

Lukas Podolski permanecerá até ao final da época em Istambul, ao serviço do Galatasaray, mudando-se posteriormente para o futebol japonês. Habitual titular no time treinado pelo croata Igor Tudor, Podolski já conquistou uma edição da Taça da Turquia (2015/16) e duas edições da Supercopa daquele país (2015/16 e 2016/17). No terceiro lugar da pauta classificativa do campeonato turco após 25 rodadas, dificilmente conseguirá se despedir do emblema turco com a conquista do troféu mais importante do país.

Apesar de ter mais um ano de contrato com o time turco, Podolski chegou a acordo com o Vissel Kobe do Japão, revelando o acerto na página oficial no “Instragram”. Segundo a imprensa turca, a formação que disputa a J-League, principal escalão do país, vai pagar ao Galatasaray uma quantia a rondar os R$ 8,5 milhões (2,6 milhões de euros). Antes de fechar com o Gala em 2015, Podolski tinha representado o Inter em Itália, o Arsenal em Inglaterra e Colônia e Bayern de Munique no seu país de origem.

Boas apostas!