Todas as pessoas que acompanham o basquete concordam em duas coisas, a primeira é que Michael Jordan é e provavelmente sempre será o melhor jogador da história no esporte, e a segunda é o fato da NBA (National Basketball Association) ser a maior liga de basquete mundial. Sempre com times repletos de astros e com grandes jogadores, o basquete norte-americano tornou-se uma paixão nacional e um dos esportes mais preferidos nos Estados Unidos, assim como o beisebol e o futebol americano. Com o grande patriotismo presente nos norte-americanos e com a qualidade de seus jogadores, a seleção estadunidense é sempre a favorita nos campeonatos que disputa, principalmente nos Jogos Olímpicos, onde já conquistou dezessete medalhas, quatorze delas de ouro, uma de prata e duas de bronze.

Seleção norte-americana de basquete campeã olímpica em 2012.

Seleção norte-americana de basquete campeã olímpica em 2012.

A supremacia norte-americana no basquete olímpico é tão grande, que mesmo sem a presença das grandes estrelas da NBA, como Stephen Curry, LeBron James, Russell Westbrook e outros, a equipe que defenderá os Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de 2016 é considerada a grande favorita na conquista da medalha de ouro, podendo ser tricampeã no basquete olímpico, sendo que já foi medalha de ouro nas últimas duas olimpíadas. Os Estados Unidos está no Grupo A do basquete olímpico, junto com a Venezuela, China, Austrália e duas seleções que serão classificadas no Pré-Olímpico mundial. Na primeira fase, a equipe norte-americana fará as seguintes partidas:

  • EUA x China – 06/08 – 19h;
  • EUA x Venezuela – 08/08 – 19h;
  • EUA x Austrália – 10/08 – 19h;
  • EUA x time do Pré-Olímpico – 12/08 – 19h;
  • EUA x time do Pré-Olímpico – 14/08 – 14h15.

Convocados e destaques

Armadores: Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers), Kyle Lowry (Toronto Raptors);

Alas: Klay Thompson (Golden State Warriors), Jimmy Butler (Chicago Bulls), DeMar DeRozan (Toronto Raptors), Kevin Durant (Oklahoma City), Carmelo Anthony (New York Knicks), Paul George (Indiana Pacers), Dryamond Green (Golden State Warriors), Harrison Barnes (Golden State Warriors);

Pivôs: DeMarcus Cousins (Sacramento Kings), DeAndre Jordan (Los Angeles Clippers);

Klay Thompson e Kyrie Irving.

Klay Thompson e Kyrie Irving.

Ao olharmos para os doze convocados da seleção norte-americana de basquete, vemos que um terço deles estiveram nas sete partidas da grande final da NBA entre Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers, a qual foi vencida pelo Cleveland Cavaliers. Entre os nomes de maior destaque na lista de convocados está o armador do Cleveland Cavaliers, Kyrie Irving, que foi um dos grandes nomes da final da NBA, tendo atuações importantes como no quinto jogo, quando estava 3×1 para o Golden State Warriors, em Irving marcou 41 pontos, a mesma pontuação de LeBron James na partida, e juntos deram a vitória ao Cavaliers naquela partida. Outro momento marcante na temporada de Kyrie Irving aconteceu na sétima partida da final, quando marcou uma cesta de três pontos já nos segundos finais e deixou o Cleveland com uma vantagem que depois foi aumentada com LeBron James e que deu o título ao Cleveland. Do outro lado da grande final tivemos o ala Klay Thompson, que é outro nome importante na seleção norte-americana. Nesta temporada ele foi o jogador que mais pontuou em um quarto no play-off, marcando 37 pontos. Além do fato de Thompson, ao lado do astro Stephen Curry, formar a dupla “Splash Brothers” do Golden State Warriors, e juntos, marcarem mais de 2.000 pontos na NBA.

Já que citamos LeBron James como um dos astros da NBA e considerado por muitos um dos melhores jogadores da atualidade, temos que lembrar o fato de que o ala do Cleveland não virá para o Brasil. Segundo o próprio jogador, sua ausência nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se deve ao grande desgaste sofrido na última temporada, jogando os sete jogos da final e a grande maioria dos jogos da temporada da NBA, por isso, o atleta prefere descansar durante o período em que as Olimpíadas serão disputadas. Outro astro que não estará no Rio de Janeiro, e que por tanto não poderá ajudar os Estados Unidos na disputa por mais uma medalha de ouro, é Stephen Curry, que preferiu fazer um tratamento para se recuperar totalmente das constantes lesões que vinha sofrendo no joelho e tornozelo, pensando assim, em estar 100% para a temporada 2016/17 da NBA. Com certeza serão duas grandes ausências, tanto para o time norte-americano, quanto para os fãs do basquete que pretendiam assistir os astros atuando juntos.

Boas Apostas!