Agora é oficial. O Valência anunciou formalmente o acerto com Marcelino García Toral. O sucessor de Voro vai assinar um contrato válido por duas temporadas com o emblema “Ché”.

Foto: "Weloba"

Foto: “Weloba”

As primeiras informações avançadas pela imprensa espanhola davam conta do interesse da diretoria do Valência nos serviços de Quique Setién, técnico que chegou a admitir publicamente que receberia com agrado uma proposta do clube do norte de Espanha. Nos últimos dias, o alvo da diretoria do Valência parece ter mudado – alegadamente devido à campanha modesta com o Las Palmas – e a desistência já terá sido comunicada ao próprio técnico. Gorada a possibilidade de contratar o “mago das Canárias”, Marcelino García Toral é o eleito dos responsáveis do clube que tenta se afastar da esfera de influência do empresário Jorge Mendes, embora Peter Lim permaneça como responsável máximo. Nuno Espírito Santo, Gary Neville, Pako Ayestarán e Cesare Prandelli falharam à frente do projeto e a solução passará por um técnico que nos últimos anos realizou um ótimo trabalho.

Na manhã desta quinta-feira, o clube lançou um comunicado oficial em que dá conta do acerto com o novo treinador. Marcelino García Toral assinou um acordo válido por “pelo menos duas temporadas” e apresentação oficial no Mestalla está agendada para o dia 21 de maio, imediatamente após o confronto da última rodada do campeonato espanhol frente ao Villarreal, time que Marcelino orientou na última ocasião em que esteve no ativo. Segundo a imprensa espanhola, para chegar a acordo com o Valência, a principal exigência de Marcelino García Toral foi “ter voz e voto” na composição do elenco, sobretudo no que respeita a saídas, tal como revelou o “El Confidencial” nos últimos dias. Juntamente com Marcelino García Toral vão chegar ao clube Rubén Uría – técnico adjunto – e Ismael Fernández (preparador físico). Para já, Voro orientará o time nos dois jogos que faltam até ao fim da atual edição do campeonato, frente ao Espanyol e ao Villarreal. Até essa data, as duas partes não se vão pronunciar oficialmente sobre o tema, por uma questão de respeito para com o trabalho do atual técnico.

Passado recente agradou à diretoria do Valência

Marcelino García Toral iniciou sua carreira como técnico no CD Lealtad, corria a temporada 1997/98, mas foi no Villarreal que reclamou mais atenções por conta das boas atuações – e dos resultados positivos -, passando três boas temporadas no clube que se situa precisamente nos arredores da cidade de Valência. Três temporadas, três presenças entre os seis primeiros e uma chegada às semis da Liga Europa 2015/16, elevando o emblema a um patamar europeu em que nunca tinha estado. O “submarino amarelo” chegou a disputar a fase preliminar da Liga dos Campeões desta temporada mas caiu frente ao Mónaco, isto depois de ter despedido Marcelino Toral alguns dias antes em uma decisão muito controversa. No comunicado divulgado pelo time, os responsáveis do Villarreal citavam “desencontros entre clube e treinador” para justificar o termo da ligação. O Valência, clube com maior prestígio da região, é o projeto que se segue na carreira do técnico de 51 anos que vai ter como objetivo mínimo devolver o Valência às provas europeias.

Boas Apostas!