Se notabilizou ao serviço do Coritiba entre 2006 e 2008, mas foi o salto para o Palmeiras que colocou Keirrison de Souza Carneiro na rota europeia. O Barcelona se interessou nos serviços do jovem de 21 anos e “K9” voou para a “Cidade Condal”, na Espanha, a troco de R$ 41 milhões (15 milhões de euros). Sem espaço no time “Blaugrana” de Pep Guardiola que tinha os centroavantes Zlatan Ibrahimovic, Thierry Henry e Bojan Krkic, Keirrison foi cedido ao Benfica por uma temporada, mas em Lisboa também não encontrou a sorte. Em um time benfiquista que se tornaria campeão português e vencedor da Copa da Liga, Keirrison ficou bem atrás na hierarquia de avançados que contava com Óscar Cardozo, Javier Saviola, Weldon, Nuno Gomes e Pedro Mantorras.

Foto: "A Bola"

Foto: “A Bola”

A janela de inverno trouxe outros dois centroavantes brasileiros (Alan Kardec e Éder Luiz) e Keirrison ficou sem espaço no time. Era o início de um “carrossel” de cedências. Em janeiro, foi para a Itália representar a Fiorentina, time em que fez os dois primeiros golos na Europa, insuficiente em 22 jogos pelo histórico da bela Florença. Seis anos depois de ter regressado ao continente de origem, a porta da Europa se abre novamente para Keirrison para uma derradeira oportunidade.

O retorno ao Brasil se tornou a única escolha para o jovem, sem chance no Barcelona e sem sucesso nos dois clubes europeus que representou. O Santos acolheu Keirrison mas o sucesso voltou a ser meramente coletivo (conquista da Libertadores 2011), com o centroavante sempre num papel secundário. O Cruzeiro foi a solução para a época seguinte (2011/12) mas o fraco desempenho foi impedimento à sua continuidade na “Raposa”.  Sempre ligado cont

Foto: "Rodrigo Saviani"

Foto: “Rodrigo Saviani”

ratualmente ao Barcelona, o retorno a Curitiba para representar o “Coxa” aconteceu em 2012, mas um problema no joelho esquerdo atrapalhou o desempenho do jogador logo no prieiro ano. Em outubro de 2013, Keirrison teve finalmente uma razão para sorrir, curiosamente na partida frente ao seu ex-clube, o Cruzeiro. O golo que apontou ao time de Belo Horizonte marcou o fim uma seca de golos que se prolongava há dois anos e 15 dias.

Porém, a segunda passagem pelo clube terminou mal para Keirrison, atleta que deixou o Coritiba de forma polémica em dezembro de 2015 embora tivesse contrato até junho de 2017. A morte do filho de dois anos em decorrência de problemas respiratórios fez com que o avançado se afastasse do elenco, pedisse para não ser relacionado, isto depois de já ter reclamado em público dos salários em atraso. Foi o princípio do fim para “K9” no Coritiba, atleta que se afastou dos relvados por um período de quatro meses. A ausência temporária custou caro ao atleta e termos desportivos, visto que a única solução para continuar a carreira foi encontrada na Série B, ao acertar com o Londrina, clube do Interior do Paraná, em março de 2016. Agora, em janeiro de 2017, Keirrison foi oficialmente apresentado na vila de Arouca, a mais de mil quilómetros de Barcelona, cidade que foi a sua porta de entrada na Europa. A grande distância separa duas realidades totalmente distintas, mas o brasileiro (agora com 28 anos) quer aproveitar a oportunidade para se destacar ao serviço do clube da vila portuguesa que conta com pouco mais que 20 mil habitantes e tem ganho terreno na luta pela manutenção entre a elite. No centro do ataque da equipa mandada por Lito Vidigal, Keirrison terá a concorrência de Walter González, Tomané, Mateus e Marlon de Jesús.

Boas Apostas!