A jornada 13 da Série A 2017/18 arrancou sábado com dois “pratos fortes”: o “derby” romano ganho pela AS Roma (2-1) à Lazio e o triunfo pelos mesmos números do Nápoles na receção ao AC Milan. Este domingo, a grande surpresa aconteceu em Génova, no Luigi Ferraris, terreno em que a Juventus perdeu para a Sampdoria por três a dois.

O Nápoles regressou às vitórias após a paragens para os encontros de seleções, se superiorizando na receção ao AC Milan por dois a um. No San Paolo, o “placard” final traduziu uma vantagem miníma (2-1), mas houve sempre muito mais Nápoles que AC Milan durante os 90 minutos, sobretudo durante o primeiro tempo, etapa da partida em que o conjunto do sul de Itália mais produziu em termos ofensivos. Com o brasileiro Allan no onze inicial, foi através de Lorenzo Insigne – cuja não utilização no encontro entre Itália e Suécia foi muito criticada – que o Nápoles se chegou à frente ainda no primeiro tempo, em um lance validado após o juiz da partida ter recorrido ao vídeo-árbitro, decorria o minuto 34 do desafio. O AC Milan tentou equilibrar o desafio na etapa complementar, assumiu maiores riscos e Vincenzo Montella mexeu no ataque ao promover a entrada do português André Silva para o lugar de Suso (lesionado), mas não houve inspiração suficiente para empatar a partida. Foi com naturalidade que, aos 28 do segundo tempo, o polonês Piotr Zielinski – lançado por Maurizio Sarri quatro minutos antes – aumentou a contagem para dois a zero, fazendio o gol que praticamente ditava mais uma derrota milanesa em um “jogo grande” nessa temporada, prolongando a inépcia da formação “rossonera” em confrontos diretos com os times do “top 5” . Alessio Romagnoli ainda fez o gol de honra em cima do apito final, mas foi o Nápoles quem somou mais uma vitória e prolongou seu estatuto invicto na Série A, assim como a liderança da competição. Este domingo, houve mais uma surpresa agradável para os homens que jogam de azul…

Foto: "www.imagephotoagency.it"

Foto: “www.imagephotoagency.it”

O Luigi Ferraris, palco partilhado pelos rivais Genoa e Sampdoria, tem sido terreno muito pouco simpático para a Juventus atendendo às dificuldades pelas quais a “Vecchia Signora” costuma passar sempre que aí joga. Esta temporada, depois de já ter passado por um dia difícil na visita aquele palco para enfrentar o Genoa (2-4), a Juve caiu mesmo na cidade portuária de Génova ao perder diante da Sampdoria por três bolas a duas.

De olhos postos no encontro com o Barcelona para a Liga dos Campeões, Massimiliano Allgeri promoveu alterações na equipa, desde a baliza até à frente de ataque, embora a qualidade do elenco juventino permita promover estas mudanças sem aparente quebra do rendimento desportivo. Após uma primeira parte que terminou empatada sem gols, a Samp entrou bem na segunda etapa e se adiantou no marcador por Cristian Zapata, aos sete minutos. Instada a responder à desvantagem, a Juve teve várias ocasiões de gol e Allegri rapidamente colocou Paulo Dybala em jogo. No entanto, sem sucesso. A Samp dilatou a vantagem por Lucas Torreira para dois a zero, fez o terceiro por Gianmarco Ferrari e a hexacampeã em título só reagiu em cima do minuto 90, com gols de Gonzalo Higuaín (grande penalidade) e Dybala, corolário de uma tarde em que a Juve também pode se queixar da falta de sorte no último terço do terreno.

Consumada a segunda derrota da Juve na Série A 2017/18, o Nápoles lidera agora com quatro pontos de vantagem em relação à atual detentora do título. O Inter pode ultrapassar a Juve caso vença na receção à Atalanta, esta tarde.

Boas apostas!