A Austrália está entre as melhores seleções do mundo pela quarta vez consecutiva. Os “Socceroos” garantiram esta quarta-feira (15) o acesso à fase de grupos da Copa do Mundo 2018, segurando a penúltima vaga na competição com uma vitória na receção às Honduras por três a um. O capitão Mile Jedinak apontou um “hat-trick” em uma partida que representou o culminar de uma autêntica maratona.

Foto: "Mark Kolbe/Getty Images"

Foto: “Mark Kolbe/Getty Images”

1974, 2006, 2010, 2014 e 2018. A Austrália carimbou seu passaporte para a Rússia ao levar a melhor no derradeiro “play-off” de apuramento discutido com a congénere hondurenha, apurada a partir da zona de classificação da CONCACAF. Obedecendo à “regra” nesses “play-offs”, a primeira partida dessa eliminatória, disputada em San Pedro Sula, terminou empatada sem gols. Na decisão disputada em Sydney, imperou a lei do mais forte e a Austrália confirmou seu favoritismo com uma vitória por três a um.

O primeiro gol da partida surgiu apenas aos dez minutos do segundo tempo. Na cobrança de uma falta à entrada da área hondurenha, Mile Jedinak atirou à baliza e a beneficiou de um desvio em Henry Figueroa que traiu o goleiro. A Austrália se encontrava na frente da eliminatória, porém, sabendo que um gol do adversário poderia alterar todo o cenário, os donos da casa não baixaram os braços e foram atrás do segundo gol. Ironicamente, quem também não baixou o braço foi Bryan Acosta, jogador que tocou a bola com a mão no interior da sua área não deixando duvidas ao árbitro da partida que imediatamente apontou para a marca do castigo máximo. A cerca de 15 minutos do apito final, chamado a bater Mile Jedinak “bisou” na partida e ajudou seu time a dar um passo de gigante rumo à Copa. Volvidos dez minutos, em nova infração flagrante, Johnny Palacios abalroou um atacante australiano e houve lugar à marcação do segundo penâlti favorável aos donos da casa. Jedinak fez o terceiro gol da noite perante cerca de 77 mil espetadores e, antes do apito final, ainda houve tempo para Maynor Figueroa descontar a favor da sua equipa. Contas feitas, a Austrália está apurada para a Copa do Mundo da Rússia.

Uma verdadeira maratona

Ao falhar o apuramento direto para a fase de grupos, a seleção da Austrália se viu forçada a disputar dois “play-offs” de apuramento, superando as seleções de Síria e Honduras, desafios que implicaram a realização de mais quatro jogos. O “The Guardian” apresenta os números dessa autêntica maratona percorrida pela Austrália que teve como destino final a fase de grupos da Copa: 22 partidas oficiais em um período de 884 dias e mais de 250 mil quilómetros percorridos para visitar 22 países distintos. Uma grande campanha que culminou com o objetivo assegurado.

Futuro de Ange Postecoglou

A continuidade do seleccionador Ange Postecoglou à frente da seleção australiana continua a ser uma incógnita. Em outubro desse ano, questionado acerca da sua situação, Ange Postecoglou afirmara que “discutiria seu futuro” após a conclusão dessa etapa de apuramento. Na coletiva de imprensa após a partida com as Honduras, o futuro do técnico voltou a ser tema. Postecoglou “jogou à defesa” e não desvendou o seu futuro, afirmando que “agora é hora de desfrutar”, garantindo no entanto que a decisão “não demorará muito tempo”.

Conhecido o desfecho do “play-off” entre AFC E CONCACAF, resta confirmar uma última vaga na competição, discutida entre as seleções de Perú e Nova Zelândia na próxima madrugada, em Lima.

Boas Apostas!