Dois meses depois de ter demitido o croata Ivan Juric da função de técnico principal do Genoa, a diretoria do clube voltou a contratar seus serviços. A situação caricata marca o início dessa semana em Itália.

Foto: "Valerio Pennicino/Getty Images Europe"

Foto: “Valerio Pennicino/Getty Images Europe”

Ivan Juric orientou o Crotone na temporada 2015/16, guiando o modesto time do Enzo Scida ao escalão máximo do futebol italiano. O técnico de 41 anos com passado associado ao Genoa enquanto jogador despertou o interesse da diretoria do emblema da cidade costeira. Depois de ter “pendurado as chuteiras” no final da época 2009/10, Ivan Juric já tinha orientado as categorias de base do Genoa por duas vezes, embora sem envolvimento direto e constante no trabalho do time principal. O bom trabalho em Crotone, associado às passagens pelas comissões técnicas de Inter e Palermo, credenciou sua posição e fez com que a diretoria apostasse em seus serviços como técnico principal para a temporada 2016/17. O croata aceitou o desafio e iniciou a época que agora caminha para o fim ao leme de um dos históricos do futebol italiano. Sem capacidade para alcançar as competições europeias, um sonho demasiado ambicioso, as aspirações do time passavam essencialmente por terminar na primeira metade da tabela, de preferência na frente da rival Sampdoria. No entanto, o time não foi capaz de lutar por esses objetivos e quem sofreu foi o técnico, despedido em fevereiro, após o encontro da 25ª jornada da Série A 2016/17 que culminou com uma goleada às mãos do Pescara por cinco bolas a zero, atual “lanterna vermelha” da tabela. A situação ficou bem delicada e a diretoria não conseguiu “segurar” Juric, optando por recorrer aos serviços de Andrea Mandorlini, um técnico mais experiente que tinha estado ao serviço do Hellas Verona nas últimas seis temporadas. Porém, seu percurso no clube foi bem curto e os responsáveis certamente se arrependeram por terem abdicado dos préstimos do anterior treinador. Com Andrea Mandorlini no comando, o Genoa disputou seis jogos, com um saldo claramente negativo. Perdeu quatro, empatou um e só venceu o Empoli. Os últimos quatro jogos definiram a saída de Mandorlini: O time perdeu o “derby” local com a Sampdoria, foi derrotado em San Siro pelo AC Milan (1-0) e sofreu muito às mãos de Atalanta (0-5) e Udinese (3-0). A demissão aconteceu.

O improvável regresso

A um nível profissional, a situação que agora se verifica é altamente improvável, até porque falamos de um intervalo temporal de apenas dois meses. Ivan Juric, treinador que não servia as aspirações do clube em fevereiro, regressa agora em abril, obrigando a diretoria a rever a sua posição A própria iniciativa do treinador é bem peculiar e revela humildade: Depois de ter sido demitido, aceitou regressar ao cargo e orientar o time até final da temporada, sendo que não se adivinham dificuldades, dado que o Genoa está nove pontos acima da zona de perigo. O primeiro desafio neste regresso de Ivan Juric está marcado para o próximo sábado, frente à Lazio, no Luigi Ferraris.

Boas Apostas!