Em setembro, a FIFA confirmou o encerramento da parceria entre a entidade máxima do futebol mundial e a revista francesa France Football, e com isso criou-se a dúvida quanto ao principal premio individual dado a um jogador, o Ballon D’Or, também conhecido como Prêmio de Melhor Jogador do Mundo ou Bola de Ouro.

Sobre isso, a FIFA anunciou na última sexta-feira (14) que a entrega do prêmio será mantida no início do ano seguinte e será realizada em Zurique, como já acontecia na época do Ballon D’Or. A confirmação foi dada pelo próprio presidente da FIFA, o italiano Gianni Infantino, que em entrevista afirmou que o prêmio de melhor do mundo será entregue no início de janeiro de 2017, em Zurique, onde encontrasse a sede da FIFA, e comentou ainda que a entidade planeja levar a cerimonia da premiação em outros países. “No dia 9 teremos um novo prêmio da FIFA. Será aqui em Zurique neste ano, depois planejamos viajar um pouco, porque a FIFA é baseada aqui, mas está em todo o mundo, vamos ver isso”, afirmou o presidente da FIFA.

Prêmio da FIFA

Lionel Messi atual vencedor do Ballon D’Or, prêmio dado pelo FIFA e pela France Football.

Lionel Messi atual vencedor do Ballon D’Or, prêmio que era dado pela FIFA e pela France Football.

No mesmo dia em que afirmou que o prêmio de Melhor Jogador do Mundo continuará sendo entregue no início de 2017, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, falou também sobre algumas mudanças que podem acontecer com o formato da premiação. A primeira mudança é que já a partir da próxima edição, que elegerá o melhor jogador de 2016, tendo o português Cristiano Ronaldo como favorito, será realizada apenas pela FIFA e deverá se chamar “FIFA’s Best” ou “Melhor da FIFA”.

Outra mudança refere-se a votação para o jogador eleito o melhor do mundo. Se na época em que era organizado pela FIFA e pela France Football, o vencedor do prêmio de melhor do mundo era escolhido por jornalistas mundiais, técnicos e capitães de todas as seleções ligadas a FIFA, a partir da próxima edição o prêmio contará também com a participação dos torcedores, que poderão votar naquele que consideram ser o jogador de mais qualidade no futebol mundial atual, tornando-se assim parecido com o Prêmio Puskas, dado ao gol mais bonito do ano e que conta com o voto dos torcedores via internet. “No passado, era feito pelos capitães das seleções, técnicos e mídia. Teremos um quarto componente, que são os torcedores, que vão também votar para os melhores jogadores e acho que isso colocará a FIFA um pouco mais próxima deles”, afirmou o presidente da FIFA.

Rompimento entre FIFA e France Football

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

A FIFA tomou a decisão de não renovar sua parceira com a revista France Football para usar a marca “Bola de Ouro” para entregar o prêmio de melhor jogador e jogadora do mundo por conta de € 5 milhões (R$ 17,5 milhões). Esse teria sido o valor pedido pela revista francesa para a renovação do contrato entre as duas partes, o qual será encerrado em dezembro deste ano. O problema é que o novo presidente da entidade máxima do futebol mundial, o italiano Gianni Infantino, está implementando uma nova política de redução de gastos na entidade desde que chegou e por conta disso decidiu não acertar a renovação com a France Football.

Além disso, segundo o presidente da FIFA, a decisão de não renovar o contrato foi tomada também pelo fato da entidade estar querendo controlar as diversas atividades que antes estavam nas mãos de outras empresas, como a venda de ingressos para a Copa do Mundo, a organização da premiação do melhor do mundo até a centralização da organização do Mundial, com um maior controle sobre o Comitê Organizador Local, órgão criado no país que sediará a Copa do Mundo para tocar a execução do evento. “Não se trata somente de cortes de gastos, mas de sermos mais eficientes”, afirmou Infantino.

Boas Apostas!