O encontro entre Argentina e Chile, válido pelas eliminatórias para a Copa do Mundo 2018, deu muito que falar. Não propriamente pela qualidade do jogo ou pela vitória argentina pela margem miníma, mas sim por conta dos insultos dirigidos por Leo Messi a um dos juízes assistentes da partida. O recurso apresentado pela Federação argentina foi aceite e o astro do Barcelona viu seu castigo reduzido.

Foto: "Leo Correa/AP"

Foto: “Leo Correa/AP”

O povo argentino pode suspirar de alívio. Esta sexta-feira, a FIFA comunicou a despenalização de Leo Messi. Suspenso desde o encontro com o Chile a 23 de março – decidiu o desafio com um gol na cobrança de um pênalti aos 16 do primeiro tempo -, Leo Messi já não participou da partida seguinte nessas eliminatórias, no caso frente à Bolívia em um desafio que a “albiceleste” perdeu por dois a zero. A sanção inicialmente aplicada previa a ausência do jogador em quatro partidas nestas eliminatórias, ficando liberado apenas para o último jogo frente ao Equador. No entanto, com a decisão tomada hoje, poderá participar de todos os encontros que faltam, nomeadamente frente ao Uruguai, à Venezuela, ao Peru e ao Equador. “Ainda que a Comissão de Apelação de Apelação da FIFA considere reprovável a conduta do jogador Lionel Messi, a mesma decidiu que as provas disponíveis não eram suficientes para decidir com base no artigo 77, que permite à Comissão Disciplinar sancionar faltas graves que não tenham sido punidas pelas equipas de arbitragem”, surge no comunicado emitido pela entidade que gere os destinos do futebol mundial.

Nesse momento, a seleção argentina precisa urgentemente do contributo da sua figura de proa, uma vez que está fora da zona de classificação direta após 14 rodadas. Na 5ª posição com 22 pontos, caso a campanha terminasse agora, a Argentina disputaria um “play-off” frente a um time da Oceânia. As chances de classificação direta seguem intactas e a Argentina ainda poderá terminar na segunda posição, uma vez que a Colômbia tem apenas dois pontos de vantagem.

A liberação de Leo Messi coincide com o início de um novo ciclo para a seleção da Argentina. Edgardo “Patón” Bauza foi demitido pelos novos responsáveis pela Federação argentina e tudo indica que Jorge Sampaoli, atualmente no Sevilha, vai deixar o time andaluz no final da presente temporada para assumir os destinos da “albiceleste”. O cenário ganha cada vez mais força e o próprio técnico já admitiu em diversas ocasiões que o seu sonho passa por orientar a seleção que representa a nação onde nasceu. A estreia do novo técnico poderá ter lugar no “superclásico” amistoso frente ao Brasil, mas o primeiro compromisso oficiail só será disputado a 28 de agosto, com os argentinos a viajarem até ao Uruguai.

Boas Apostas!