O começo desta semana tem sido movimentado para a FIFA, entidade que comanda o futebol mundial. Na segunda-feira (09) a FIFA entregou os prêmios de melhores do ano, o chamado The Best, dado aos melhores jogadores (as) e treinadores (as) do ano anterior, no caso 2016. No dia seguinte, na última terça-feira (10), a entidade anunciou uma mudança para a principal competição entre seleções do futebol mundial, a Copa do Mundo.

Mais seleções, mais vagas e mais jogos

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

“O Conselho da FIFA decidiu de forma unânime por uma Copa do Mundo com 48 times em 2026: 16 grupos de três equipes cada”, anunciou a FIFA em sua conta oficial no Twitter na terça-feira (10). A mudança no mundial foi uma das principais propostas de Gianni Infantino durante sua candidatura à presidência da FIFA, sendo ele o maior apoiador das alterações na Copa do Mundo dentro da entidade, ao lado de ex-jogadores como Maradona e Puyol.

Até 2020, o Mundial entre as maiores seleções do mundo seguirá com os mesmos modelos das últimas edições, porém, a partir de 2026 a Copa do Mundo sofrerá algumas alterações. A FIFA confirmou na terça-feira que em 2026 o mundial contará com a participação de mais seleções, sendo que atualmente a Copa do Mundo conta com a participação de 32 seleções e a partir de 2026 contará com 48 equipes nacionais. Com o aumento de seleções participantes, algumas mudanças surgem como consequências. Se por um lado não serão alteradas a quantidade de estádios (continuam sendo 12) ou a duração da competição (permanece com 32 dias) e nem o número de partidas realizadas pelos finalistas (máximo de sete), serão aumentados à quantidade de jogos disputados durante toda a Copa do Mundo, que antes contava com 64 partidas e a partir de 2026 ficará com 80, além do aumento de partidas realizadas por dia, já que no Mundial de 2026 serão quatro partidas realizadas por dia, sendo que antes a média não chegava a dois jogos por dia. Preocupado com a quantidade de partidas e com os jogadores, a FIFA acertou neste novo formato que nos primeiros 15 dias da Copa do Mundo, serão disputadas ao todo 60 partidas, quatro jogos por dia, e a primeira pausa será feita apenas no 21º dia da competição.

Entenda o novo formato

Esquema de como ficou a Copa do Mundo em 2026.

Esquema de como ficou a Copa do Mundo em 2026.

Mesmo com poucas alterações, o formato da Copa do Mundo também sofreu algumas mudanças, causadas pelo aumento de seleções participantes. Todas as 48 seleções serão divididas em 16 grupos, com cada um dos grupos contendo três seleções. Depois de se enfrentarem entre si, os dois melhores de cada chave avançam para a fase seguinte. As 32 equipes sobreviventes da fase de grupo se enfrentam em partidas eliminatórias, de onde restarão 16 seleções, as quais se enfrentarão nas oitavas de final e assim por diante, seguindo o formato já conhecido e usado, totalizando ao final na competição sete partidas disputadas pelos dois finalistas, número máximo de jogos na Copa do Mundo.

Mesmo aprovando esse novo formato, a FIFA tem dois problemas “esportivos” nele, sendo o primeiro deles referente ao possível desequilíbrio no tempo de descanso dos jogadores que disputarem a primeira fase, e o segundo quanto à decisão da fase de grupos não ocorrer com os jogos acontecendo simultaneamente por conta do número ímpar de concorrentes em cada grupo, três. Porém, para esse segundo problema, a entidade máxima do futebol mundial já propôs uma solução: disputa de pênaltis ao final de cada partida como uma forma de evitar empates, fazendo com que todos os classificados fossem decididos por pontos conquistados e não por outros critérios, como, por exemplo, o saldo de gols, o que ainda deve ser discutido no futuro pela FIFA e pelas seleções confederadas com a entidade.

Com o aumento da quantidade de seleções participantes da Copa do Mundo, vem também a necessidade de redistribuição das vagas permitidas para cada federação. O assunto ainda será discutido pela FIFA, porém, já podemos ter uma ideia de quantas vagas cada continente terá direito: UEFA com 16 vagas, África com 9,5 vagas, Ásia com 8,5 vagas, CONMEBOL com 6,5 vagas, CONCACAF com 6,5 vagas e Oceania com 1 vaga.

Sede e aumento de renda

Copa do Mundo de 2018 será realizada na Rússia.

Copa do Mundo de 2018 será realizada na Rússia.

Para a escolha da sede da Copa do Mundo, o Conselho da FIFA respeita uma ordem que deverá ser seguida até o ano de 2020, quando a sede será escolhida. Vale lembrar que há alguns meses, a entidade decidiu que o mundial poderá ser sediado por mais de um país e que nem Europa nem Ásia poderão sediar o mundial de 2026, já receberão a Copa do Mundo de 2018 (Rússia) e 2022 (Catar), respectivamente. O primeiro processo para a escolha da sede será até maio desse ano, onde a FIFA fará consultas e desenhos de estratégias para a competição. Já a preparação mais “meticulosa” será feita entre junho de 2017 e dezembro de 2018, quando a entidade fará uma análise mais cuidadosa sobre as estratégias para a Copa do Mundo. A partir de janeiro de 2019 e até fevereiro de 2020, será feita a avaliação das propostas enviadas pelos países que estiverem interessados em sediarem a competição. Já em maio de 2020, finalmente será escolhido o país, ou países, sedes.

Com o novo formato, a FIFA espera arrecadar mais dinheiro, já que espera aumentar em US$ 975 milhões sua arrecadação, contando venda de direitos de televisão, publicidade, ingressos, entre outras receitas. Por outro lado, a entidade máxima do futebol mundial prevê gastar um bom montante, US$ 335 milhões. Com isso, a entidade poderá ter um lucro de US$ 640 milhões com o novo formato da Copa do Mundo.

Boas Apostas!