Perder no Paulistão é incomum para o Santos. Perder na Vila Belmiro, ainda mais. Depois da derrota no clássico com o São Paulo, o “Peixe” voltou a nadar em águas turvas na noite desse sábado, frente à Ferroviária e a contestação da torcida subiu de tom.

Para o torcedor do Santos, é certo que não tem muita coisa pior que perder para o rival São Paulo, ainda para mais na Vila Belmiro. A derrota a meio da última semana para o “Tricolor Paulista”, por três, caiu naturalmente mal no seio da torcida santista, desiludida com o desfecho do desafio depois de até ter começado a ganhar graças a um gol marcado por Jonathan Copete. Este sábado, quando o Santos subiu ao gramado da Vila, a expetativa da torcida era a de ver uma resposta do time que permitisse conquistar a vitória 100 sob a orientação do técnico Dorival Júnior. Um gol de Leandro Amaro no segundo tempo sentenciou o desafio e o Santos não teve capacidade de resposta.

Amaro silenciou a Vila

Amaro marcou após cobrança de escanteio

Amaro marcou após cobrança de escanteio

O nulo se prolongou durante demasiado tempo para os donos da casa. O Santos foi um time dominador durante o primeiro tempo, encostou a Ferroviária ao seu meio-campo, mas a incapacidade de materializar a superioridade em golo viria a ser paga de forma bem cara. A Ferroviária sentiu que podia arriscar e crescer no jogo, saiu da retranca no segundo tempo e foi criando suas primeiras chances, deixando o adversário em sobreaviso.

Aos 23 minutos do tempo, momento decisivo para o desenrolar o desafio. Em sua estreia na zaga do “Peixe”, Cléber Reis é expulso por amostragem da segunda cartolina amarela e é expulso, deixando o Santos reduzido a dez unidades e em posição delicada, isso numa altura em que a Ferrinha já demonstrava ousadia e capacidade de resposta bem interessante. Pouco depois da expulsão, aos 29 do segundo tempo, chegou o momento que todo o torcedor santista temia. Escanteio para a Ferroviária treinada por Paulo César de Oliveira e gol. Leandro Amaro saltou mais alto que a defesa do “Peixe” e inaugurou o “placard” a favor do time de Araquara.

A partir daí, o desenrolar do filme teve a ação habitual: O Santos pressionou, tentou furar a organização defensiva de um time que se retraiu ainda mais após o gol, mas não foi capaz de empatar, somando a segunda derrota consecutiva no Paulistão. O Santos voltou a perder duas vezes seguidas em casa, coisa que não acontecia desde 2014. Mais do que o resultado em si, fica uma atuação do Santos em que o time foi demasiado perdulário na finalização, incapaz de encontrar as soluções necessárias para chegar com perigo na baliza defendida por Matheus. Mais eficiente que o time da casa, a Ferroviária fez seu jogo, teve alguma sorte na partida e foi competente ao marcar uma das poucas ocasiões que teve. O Santos aponta agora baterias para o Ituano, na próxima terça-feira, partida em que ambiciona regressar às vitórias. A partida vai exigir muito do ponto de vista psicológico a um time que atravessa uma crise de confiança e conta com forte pressão de uma torcida exigente que mostrou sua insatisfação aos jogadores no final do desafio.

Boas apostas!