Doze anos depois de ter abandonado o Brasil para abraçar uma carreira na Europa, Felipe Melo retorna para vestir a camisa  30 do Palmeiras. O internacional brasileiro é aposta do atual campeão para 2017 e a coletiva de apresentação à torcida e imprensa foi a cara do volante de 33 anos. Suas primeiras palavras se dirigiram precisamente à imprensa, em jeito de crítica à propaganda que tem feito desde que deixou a Inter para acertar com o Palmeiras: “O Felipe Melo faz uma situação e “boom”, o Felipe Melo é maldoso. À minha vinda para cá, vi muitos programas de vocês e em vez de passarem jogadas legais do Felipe Melo, passavam expulsões de 2010, de 2009, mas ninguém passou na televisão o passe que o Felipe deu para o Robinho, o troféu que o Felipe levantou na casa do Fenerbahçe, a Copa das Confederações que o Felipe ganhou (…) O Felipe Melo não é só porrada, é técnica também”. Em sua última etapa na Europa, Felipe Melo não foi particularmente feliz na Inter, time em que fez 3o jogos oficiais na época 2015/16 e dez na primeira metade de 2016/17. Seu período de maior sucesso corresponde à passagem por Istambul para representar o Galatasaray, conquistando três títulos de campeão turco, duas copas da Turquia e duas supercopas.

Foto: "Fabio Menotti/Ag. Palmeiras"

Foto: “Fabio Menotti/Ag. Palmeiras”

Apesar da crítica da imprensa, Felipe Melo garantiu que não vai alterar sua maneira de jogar: “Não vejo problema. Se tiver que dar porrada, vou dar porrada. Se estiver a jogar no Uruguai e tiver que dar tapa na cara do uruguaio, vou dar tapa na cara do uruguaio porque isso faz parte da minha forma de jogar, sempre com responsabilidade porque hoje tenho 33 anos e obviamente que a minha ideia não é deixar a equipa com menos um”.

Envolvido em várias polémicas ao longo da sua carreira, o volante que na Europa representou Mallorca, Racing Santander, Almería, Fiorentina, Juventus, Galatasaray e Inter esteve em foco em abril do ano passado quando revelou que se não se tivesse tornado jogador de futebol, poderia ter sido um criminoso: “Se não fosse jogador de futebol, teria sido criminoso. Vivia em uma das favelas mais perigosas e ali tinham muitas drogas e armas. Deixei aquela vida para seguir meu sonho. Às vezes, ia ao treino e na volta, algum amigo meu tinha morrido. Tinha de dizer sim ao futebol ou a uma vida má. E eu disse sim ao futebol e uma vida diferente”.

A carreira do “Pitbull” de Volta Redonda começou em 2001 na Academia do Flamengo, um dos três clubes que representou no país em que nasceu – os outros foram Cruzeiro e Grémio. Na coletiva de apresentação, Felipe Melo não poupou Antonio Tabet, vice-presidente da comunicação do clube queo formou, tudo por conta de um “tweet” de Tabet alegadamente sobre o jogador em que falou que Felipe Melo dizia amar o Flamengo mas não aceitava negociar abaixo de  R$ 1 mil. Em jeito de resposta, além de chamar Tabet de “piadista” – o dirigente trabalhou no “Porta dos Fundos” -, destacou o sentimento de identificação com os Paulistas do Palmeiras e não poupou no ataque: “Minha pátria amada hoje é Palmeiras. Não falo mais de Flamengo. O Flamengo me procurou há alguns anos numa época em que era impossível eu vir da Europa para cá. Nunca pedi um milhão, não sei da onde veio isso. Nesta janela, não houve nenhuma proposta, nenhuma procura. Não acredito que exista no Flamengo um vice-presidente de marketing (na verdade, é de comunicação) que praticamente me chamou de “puta”. Para rir, ele é número 1, mas como dirigente não dá. Não tive oferta do Flamengo, sou flamenguista, mas é o Palmeiras por quem eu vou lutar, é quem está colocando comida na minha casa. Se tiver que comer alguém vivo, eu vou comer pelo Palmeiras”. Entretanto, Antonio Tabet veio a público afirmar que a publicação na rede social “Twitter” não visava concretamente Felipe Melo.

“Verdão” aposta no reforço do meio-campo

O “Verdão” apostou forte no reforço do meio-campo. Felipe Melo é a contratação mais sonante para o sector, mas Hyoran, Raphael Veiga e Alejandro Guerra também são boas alternativas para a escalação da equipa. Teoricamente, Felipe Melo e o venezuelano Alejandro Guerra deverão fazer parte da escalação inicial. O brasileiro  não esconde que as expetativas neste retorno estão elevadas. Além do comentário elogioso ao treinador Eduardo Baptista, sucessor de Cuca, Felipe Melo falou que o objetivo é ganhar todas as competições, não só a Libertadores, lembrando “o quanto é gostoso ganhar o brasileiro”, título que ergueu na passagem pelo Cruzeiro.

Boas Apostas!