A última edição da janela de transferências ficou marcada por avultados investimentos levados a cabo por clubes chineses, com Oscar a ser protagonista ao trocar os ingleses do Chelsea pelo Shanghai SIPG, sobretudo em uma fase tão precoce da carreira. Agora, a Federação chinesa lançou novas restrições que poderão condicionar a ação dos clubes na abordagem ao mercado.

Foto: "AFC"

Foto: “AFC”

A Federação chinesa de futebol comunicou esta quinta-feira a imposição de novas restrições aos times que competem nos escalões profissionais, adotando um conjunto de normas que visam proteger o jogador nacional.

Até então, a principal limitação estava associada ao número de atletas estrangeiros no time, restrita a três unidades. Em jogos da Superliga Chinesa, impera também a obrigatoriedade de utilizar pelo menos um jogador chinês sub-23 no onze inicial.

De agora em diante, os clubes que contratarem estrangeiros serão obrigados a canalizar uma verba para um fundo do governo, com a quantia em causa a ser destinada à formação de jovens, promoção da modalidade e melhoria das infraestruturas para a prática do desporto no país. Para além disso, as restrições a nível de jogo também serão maiores. Na próxima edição da Superliga chinesa, todos os times deverão ter tantos estrangeiros no onze inicial quanto jogadores chineses sub-23.

O estranho caso de Huanchen Zhang

O Shanghai SIPG treinado pelo técnico português André Villas-Boas conta com os brasileiros Oscar, Hulk e Elkeson. No time de Shanghai, há um jovem chinês com apenas 19 anos que participou em tantas partidas quanto Oscar e Hulk, embora com muito menos minutos jogados que os dois brasileiros (149, no caso). Huachen Zhang é habitual titular no Shanghai SIPG, mas nunca atuou durante mais de 30 minutos em uma só partida. Razão? A obrigatoriedade de ter pelo menos um jogador sub-23 entre o time titular. Assim, André Villas-Boas opta frequentemente por “sacrificar” o jogador ainda no primeiro tempo, cumprindo com o regulamento estabelecido pela Federação chinesa que a partir da próxima temporada será ainda mais rigoroso. No caso mais extremo, Huachen Zhang abandonou o terreno de jogo logo aos dez minutos. Na Liga dos Campeões da Ásia, Huachen Zhang tem apenas 45 minutos disputados até à data.

Em coletiva de imprensa, questionado sobre o assunto, André Villas-Boas criticou a medida, afirmando que pressupõe algo contra naturo na evolução do jogador: “Não trocaria um jovem jogador no primeiro minuto de jogo, seria ridículo. Digo sempre que os jogadores devem atuar de forma natural, sem forçar. Os nossos jogadores que cumprem a função sub-23 até são sub-21”, revelou.

Mantendo a aposta habitual, o regulamento da próxima temporada obrigaria André Villas-Boas a atuar sempre com três atletas sub-23 no time inicial.

Boas Apostas!