Minuto 90 em Chaves, cidade transmontana situada no norte de Portugal. O time local e o Vitória Sport Clube disputam o acesso  à final da Taça [Copa] de Portugal, segunda prova mais importante do calendário português O relógio pára. A eliminatória está em 3-3 (agregado) e há penalty a favor do time local. Douglas, goleiro brasileiro, é obrigado a brilhar para manter vivo o sonho dos “Conquistadores”. Na “terrinha” onde estão o passado (Júlio César) e o futuro (Ederson) da seleção brasileiro, o compatriota Douglas viveu uma noite de sonho.

Herói do Berço

Foto: "GMRTV"

Foto: “GMRTV”

Produto da base do Botafogo-SP, o goleiro Douglas Renato de Jesus deixou o Brasil em 2010, após passagem pelo Ipatinga por empréstimo do Cruzeiro. Se transferiu para o Vitória Sport Club, emblema da tradicional cidade de Guimarães, o “berço de Portugal”. A afirmação demorou, chegando apenas na temporada 2012/13, que culminou com a conquista da Taça de Portugal, o primeiro grande título da história do clube. Douglas permaneceu sempre contratualmente ligado ao clube, sendo ultrapassado pelo jovem João Miguel Silva na hierarquia da baliza na última época. Chamado à titularidade para o embate decisivo das meias-finais da Taça de Portugal, na noite de ontem, assumiu um papel decisivo e seu nome ganhou ainda mais espaço no coração dos fervorosos torcedores de um dos clubes mais tradicionais de Portugal.

Com uma vitória por dois a zero na partida de ida, no estádio D. Afonso Henriques, o Vitória Sport Clube estava em ótima posição para garantir o acesso à final da Taça de Portugal, segunda competição mais importante no panorama do futebol português. Na noite de terça-feira, em Chaves, tudo parecia correr mal ao Vitória, que chegou a estar a perder por três a zero. Um gol de Moussa Marega, internacional pelo Mali que esteve na Copa Africana das Nações, devolveu a vantagem ao Vitória na eliminatória por conta do gol marcado fora de casa. Ao minuto 90, nos últimos instantes de um grande jogo de futebol, o juiz da partida viu uma infração na área vitoriana e assinalou grande penalidade. Se marcasse, o Grupo Desportivo de Chaves se apuraria para a decisão da competição, isso depois de já ter afastado FC Porto e Sporting CP nas eliminatórias anteriores. Chamado a converter, o experiente Braga foi incapaz de ultrapassar Douglas, com o goleiro brasileiro a adivinhar a direção do remate. O brasileiro, goleiro titular na final do Jamor em 2012/13 e único resistente desse time orientado por Rui Vitória, atual técnico do Benfica, rapidamente se converteu no herói da noite, para regozijo de João Miguel Silva, jovem goleiro da base do Vitória que vibrou com a defesa nas arquibancadas do estádio. O acesso à grande final foi agarrado pelas luvas do goleiro de 34 anos, natural de Ribeirão Preto, contratualmente ligado ao clube até junho de 2019. No final da partida, o elogio foi para a torcida: “Nós (jogadores) temos que fazer a nossa parte, que eles, na bancada, fazem sempre a parte deles”.

O segundo finalista da Taça de Portugal 2016/17 será conhecido hoje, no estádio da Luz. O Benfica recebe o Estoril-Praia e traz uma vantagem miníma da partida de ida, tendo vencido no estádio António Coimbra da Mota por dois a um. Caso os “encarnados” mantenham a vantagem e garantam o acesso, se repetirá a final de 2012/13.

Boas Apostas!