Eusebio Di Francesco é o principal nome apontado à sucessão de Luciano Spalletti no comando técnico da AS Roma. O técnico de 47 anos poderá voltar a representar um emblema que defendeu enquanto jogador.

Foto: "Getty Images"

Foto: “Getty Images”

O contrato de Luciano Spalletti chegou ao fim e a diretoria da AS Roma optou por não renovar o vínculo do técnico, anunciando oficialmente a sua saída na manhã desta terça-feira, através do site oficial do clube. Na nota emitida, a AS Roma agradece o trabalho desenvolvido por Spalletti neste retorno, salientando o facto de ter conseguido alcançar um novo máximo de pontos (87) e golos (90) em uma só edição do campeonato italiano. O objetivo traçado para 2016/17 foi cumprido com o acesso direto à fase de grupos da Liga dos Campeões, iniciando-se agora um novo ciclo dirigido por Monchi, o diretor esportivo que marcou uma era no Sánchez Pizjuán e chegou nesse final de época à capital transalpina. Segundo a imprensa italiana, o nome de Eusebio Di Francesco agrada bastante a Monchi e o responsável já demonstrou isso junto dos principais responsáveis do time.

Segundo a “Gazzetta dello Sport”, o acordo entre Eusebio Di Francesco e a AS Roma poderá demorar algum tempo até se concretizar, apontando para o próximo fim-de-semana como possível data para a formalização. Neste momento, o principal obstáculo à concretização da negociação corresponde à determinação dos responsáveis do Sassuolo, dado que o próprio técnico estará interessado em se mudar para Roma. Giorgio Squinzi, “homem forte” da Mapei e dono do Sassuolo, demonstrou alguma relutância na hora de liberar o treinador que está sob contrato com o time da Emilia Romagna, embora Giovanni Carnevali, do Sassuolo, tenha estado em reunião com diretores do clube da “Loba do Capitólio”. O motivo que tem impedido o avanço romano com efeito imediato reside no fato de Eusebio Di Francesco ter uma multa de três milhões de euros que o liga à formação “neroverdi”, valor que os romanos não se demonstram interessados em pagar. Segundo a “Gazzetta dello Sport”, a diretoria da AS Roma tenta encontrar alternativas para evitar o avultado investimento, colocando sobre a mesa três hipóteses: A primeira passa por abdicar da opção de recompra de Lorenzo Pellegrini por um valor a rondar os 10 milhões de euros, deixando o Sassuolo com liberdade para negociar o passe do jogador. A segunda corresponde à possibilidade de os romanos cederem os direitos desportivos do zagueiro Riccardo Marchizza ao Sassuolo, jogador que interessa para a próxima temporada, enquanto a terceira dita a redução das exigências para a contratação de Federico Ricci, meia de 23 anos que esteve no Sassuolo por empréstimo na Roma e cuja multa de compra definitiva está cifrada nos 4,5 milhões de euros. A AS Roma tentará jogar com os estes trunfos para convencer os “neroverdi” a abdicarem dos três milhões de euros que prendem Eusebio Di Francesco ao clube.

Boas Apostas!