Depois de anunciar sua saída do Barcelona, onde conquistou muitos títulos, o lateral direito Daniel Alves de 33 anos foi anunciado na última terça-feira (28) como a segunda contratação do clube pentacampeão italiano, Juventus, para a temporada 2016/17 (a primeira foi o meio-campista Pjanic que estava no Roma). Daniel chegou à Itália no último domingo (27), e já no dia seguinte realizou alguns exames médicos e assinou o contrato de dois anos, com validade até junho de 2018, onde receberá um salário de cerca de € 3,5 milhões (R$13,9 milhões) por ano.

Durante sua apresentação, o lateral se mostrou animado na busca por um título da Liga dos Campeões com a Juventus, que há vinte anos não conquista a competição. “Quero tentar, junto a eles, realizar esse sonho, que é ganhar a Champions. Faz muito tempo que o Juve não ganha este título. Há muito tempo predomina na Itália, mas na Europa tem essa vontade de triunfar também”. Ao ser perguntado sobre o motivo de sua saída do Barcelona, Daniel Alves afirmou que estava na hora de sua história com o clube espanhol acabar. “O Barça é um time com uma história incrível. Me considero um privilegiado de ter feito parte dela. Mas todas as histórias têm um final, e cada um deve escolher quando chega ao fim”. Perguntado também sobre a possibilidade de jogar ao lado de Paul Pogba, Daniel se mostrou animado. “É um grande jogador. Sou fascinado pela chance de jogar com jogadores desse nível”.

Daniel Alves em sua apresentação da Juventus.

Daniel Alves em sua apresentação da Juventus.

Seguindo um costume próprio de homenagear colegas com a numeração de sua camisa, Daniel Alves escolheu o número 23 para ser gravado na sua camisa alvinegra, prestando uma homenagem ao astro do clube de basquete norte-americano Cleveland Cavaleirs, LeBron James. Perguntado sobre o motivo do número 23, o lateral comparou sua história com a do astro norte-americano, já que ambos saíram vencedores de seus clubes e tentaram coisas novas em um outro lugar, onde poderia ser campeões. “Escolhi o 23 pelos grandes de outros esportes. O mais recente, LeBron James, porque simplesmente são jogadores que se reinventam, não são cômodos. Como ganham no mesmo lugar, querem buscar outros desafios, outras coisas em sua história. E recentemente ele (LeBron) conseguiu mudar de um time onde estava super cômodo, que vinha vencendo, tinha um destaque importante. Mudou, estava há um ano lutando, não pode ser campeão pelas lesões dos companheiros. E este ano se reinventou outra vez. É um número que me desperta essa sensação de que venho a outro clube, outro país para me reinventar aqui, viver com outros companheiros e viver em outro clube”.

Carreira e passagem pelo Barcelona

Daniel Alves comemorando o título da Supercopa da UEFA de 2015.

Daniel Alves comemorando o título da Supercopa da UEFA de 2015.

Daniel Alves passou pelo Bahia e pelo Sevilla antes de iniciar sua passagem pelo Barcelona em julho de 2008, quando assinou seu contrato para quatro temporadas por € 34 milhões e mais € 6 milhões dependendo de seu desempenho. O atleta fez sua estreia na partida de ida pela Liga dos Campeões da temporada 2008/09 contra o Wisla Kraków, assumindo o lugar de Gianluca Zambrotta que havia se transferido para o Milan. No fim da temporada, depois de já ter ajudado o Barcelona na conquista da Copa Del Rey, Daniel Alves não pode disputar a final da Liga dos Campeões contra o Manchester United por estar suspenso, mas mesmo sem seu lateral, o Barcelona conquistou o título da competição continental. E apenas quatro dias depois, o clube ainda foi campeão do Campeonato Espanhol, fazendo com que Daniel Alves fosse campeão de todas as competições que disputou em sua primeira temporada. Durante todo o período em que esteve no Barcelona, o lateral brasileiro conquistou vinte e dois títulos, sendo seis deles do Campeonato Espanhol, cinco da Copa Del Rey, três Ligas dos Campeões e três Mundial de Clubes. Graças a esses vinte e três títulos conquistados no Barcelona, Daniel Alves se consagrou como o terceiro maior campeão da história do futebol, totalizando trinta e dois títulos, ficando atrás apenas do português Vitor Baía com trinta e cinco e do galês Ryan Giggs com trinta e seis. Ao longo da carreira, o lateral-direito conquistou seis Campeonatos Espanhóis, cinco Supercopas da Espanha, cinco Copas do Rei, quatro Supercopas da Europa, três Liga dos Campeões, três Mundial de Clubes, duas Liga Europa, duas Copa das Confederações, uma Copa América e uma Copa do Nordeste. Agora encara um novo desafio, seguir conquistando títulos, só que pelo clube italiano Juventus, onde poderá quem sabe conseguir ser o maior recordista de títulos da história.

Boas Apostas!