Dois representantes sul-americanos, dois europeus. Na Coreia do Sul, a Copa do mundo sub-20 chega à fase todas as decisões. Quinta-feira é dia de disputar as semifinais, com dois confrontos “intracontinentais”.

Foto: "FIFA"

Foto: “FIFA”

Sem Brasil (não se classificou) e Argentina, as duas nações sul-americanas com maior tradição na Copa do mundo sub-20, Uruguai e Venezuela se encarregam de representar o continente nas semifinais. O time “charrúa” comprova, uma vez mais, o bom trabalho que tem sido feito no país ao nível da base, enquanto a Venezuela é uma verdadeira surpresa. O país está a “ferro e fogo” a largos meses, atravessa um grande período de instabilidade social e a seleção sénior também foi muito mal nas eliminatórias para a Copa do Mundo 2018.

Os uruguaios eliminaram o mais difícil dos adversários em seu trajeto nas semis, vencendo a seleção portuguesa na decisão através da marcação de pênaltis após um empate a dois gols no final da prorrogação. O goleiro Santiago Mele foi o herói do dia ao impedir que os portugueses marcassem em três ocasiões. Para o time que conta com dois títulos mundiais de sub-20, o percurso voltou a terminar nas quartas e da mesma forma que edição anterior, na ocasião perdida para o Brasil: Nos pênaltis. O time orientado por Fabián Coito que conta com Santiago Bueno, Mathías Olivera, Valverde ou Schiappacasse entra como favorito ao acesso à final, mas vai ter a brava Venezuela pela frente, nação que eliminou Japão e Estados Unidos na prorrogação.

Na outra meia-final, tem “clássico” europeu entre Itália e Inglaterra. Os transalpinos, sem grandes êxitos em Copas do Mundo de sub-20, garantiram o acesso às semis de uma edição da prova pela primeira vez em sua história, superando outra das grandes surpresas da prova: A Zâmbia. Os africanos estiveram em vantagem por duas vezes no marcador e a dois minutos do fim lideravam o marcador (1-2), mas Federico Dimarco igualou a contenda aos 43 do segundo tempo, adiando a decisão para a prorrogação. Aí, Luca Vido do AC Milan, inutilizada nas oitavas frente à França, definiu a favor do seu time.

A expetativa para a prestação inglesa não era a mais elevada, mas os comandados de Paul Simpson têm brilhado na prova. Vencedores do grupo A – onde também estavam Argentina, a anfitriã Coreia e a Guiné Conacri – sem derrotas, eliminaram a Costa Rica nas oitavas com dois gols de Lookman e, nas quartas, foi a vez de Solanke, um dos mais mediáticos jogadores deste conjunto, abrir caminho para as semis. O tento solitário do produto da base do Chelsea que na próxima temporada vai representar o Liverpool foi suficiente para derrotar a equipa mexicana e carimbar o acesso para a fase seguinte.

Boas Apostas!