A CONMEBOL deu a conhecer o regulamento da Libertadores 2017 na noite de quinta-feira, altura em que faltam quatro dias para o começo das eliminatórias da prova de clubes mais importante do continente.

LibertadoresPara os clubes brasileiros, a primeira grande alteração já tinha surgido durante a temporada: O famoso “G4” se converteu em “G6” e o futebol brasileiro ganhou mais duas vagas na prova através do campeonato. Palmeiras, Santos, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo e Atlético Paranaense se qualificaram através do campeonato e se juntam a Chapecoense (Copa Sul-Americana) e Grémio (Copa do Brasil) na lista de representantes brasileiros. Em vez dos habituais 38 times, a Libertadores 2017 terá 42 times a concurso. O São Paulo, brasileiro com mais participações na Liberta (18) não vai disputar essa edição.

Atlético Paranaense e Botafogo são os únicos dois times que vão disputar a fase pré-Libertadores e os dois estreiam na segunda fase. O “Furacão” discute o acesso com o Millonarios da Colômbia e caso garanta o acesso defronta Deportivo Capiatá/Deportivo Táchira ou Universitario, enquanto o “Fogão” tem confronto marcado com os chilenos do Colo-Colo e caso garanta o acesso vai brigar com Deportivo Municipal/Independiente del Valle ou Olimpia. A primeira alteração implica ainda com a fase pré-Liberta. Os quatro times eliminados na terceira fase (logo antes da fase de grupos) que tiverem a melhor perfomance na prova até aí, se classificam automaticamente para a segunda fase da Sul-Americana 2017. Mais tarde, os terceiros colocados de cada chave também caem na competição, num modelo idêntico ao da Liga dos Campões da Europa.

Taça da Copa Libertadores.

Uma alteração bem importante diz respeito ao número de “gringos”. Na Libertadores 2017 não vai ter limitação de estrangeiros nas equipes. Quando ao número de inscritos, os times podem inscrever 25 atletas para as primeiras fases da Liberta (pré e grupos) e quem passar ao “mata-mata” tem a possibilidade de adicionar cinco jogadores à lista sem ser preciso retirar nenhum, ficando 30 jogadores no total. A CONMEBOL permite mudanças até 48 horas antes do início da semifinal (podem substituir até três atletas), mas na decisão não tem essa possibilidade, com exceção para o caso de goleiro lesionado. A Liberta vai ser rica em “gringos”.

Nas últimas edições da competição, se qualificavam os dois primeiros de cada chave e o primeiro da classificação geral (melhor registo na sua chave) enfrentava o último. Aqui também tem uma adequação bem europeia, aplicada tanto na Liga dos Campeões europeus como na segunda prova mais importante de clubes do “Velho Continente”, a Liga da Europa. Assim, a partir da Liberta 2017, as oitavas da competição serão sorteados e o sorteio deve ser a “cara” da Liga dos Campeões da Europa: Os primeiros colocados de cada chave só podem defrontar segundos colocados. A decisão se mantém a duas mãos mas também vai ter uma alteração bem interessante. Até aqui, times do mesmo país não podiam se defrontar na final. Caso o sorteio não colocasse dois times do mesmo país em confronto na semifinal, o regulamento obrigava isso acontecer – no caso de três times do mesmo país, a regra não se aplicava. A partir de agora, o que o sorteio ditar, será aplicado. Times de um mesmo país se podem enfrentar na decisão. A última final entre times do mesmo país foi em 2006, quando o Internacional de Porto Alegre levou a melhor sobre o São Paulo, final

Boas Apostas!