Empate no “Volcán” de Nuevo León. A partida de ida da Liga dos Campeões da CONCACAF 2016/17 terminou com uma igualdade a um gol. Um gol madrugador de Raúl López permitiu ao Pachuca conquistar vantagem na casa do Tigres UANL.

Foto: "Univision"

Foto: “Univision”

Pela sétima vez em nove edições sob o atual formato, a decisão da Liga dos Campeões da CONCACAF é disputada por dois times mexicanos. À semelhança do que aconteceu na última temporada, o Tigres UANL treinado pelo brasileiro Tuca Ferretti foi incapaz de garantir vantagem na partida de ida da decisão. O desafio terminou empatado a uma bola e a vantagem está do lado do Pachuca, por conta do valor atribuído aos gols marcados na condição de visitante.

A história do jogo começou a ser escrita bem cedo. Aos três minutos do primeiro tempo, o Pachuca se adiantou no marcador. Raúl López cobrou um livre em zona frontal, a bola desviou em um dos elementos da barreira do Tigres e traiu Nahuel Guzmán, goleiro argentino que não foi capaz de evitar o gol visitante. A resposta surgiu cerca de meia hora depois, por intermédio de Ismael Sosa. Se o posicionamento e abordagem de Nahuel Guzmán ao lance que resultou no gol do Pachuca tinha sido questionado, a verdade é que Alfonso Blanco, goleiro contrário, também não ficou bem no lance, permitindo um gol fácil que empatou o desafio.

Vargas perdeu pênalti

Foto: "Univision"

Foto: “Univision”

Os donos da casa tiveram uma grande ocasião para alcançarem vantagem aos 22 minutos do segundo tempo. Erick Gutiérrez, capitão do Pachuca, tocou a bola com o braço no interior da área e o juiz do desafio apontou para a marca do castigo máximo. O atacante André-Pierre Gignac é o habitual cobrador de pênaltis do Tigres UANL, porém, o chileno Eduardo Vargas (ex-Grêmio) pediu para cobrar e o francês cedeu a bola ao colega de setor. O chute ficou nas mãos do goleiro mexicano Alfonso Blanco, se redimindo perante a torcida após a grave falha cometida no primeiro gol. Com Juninho no onze, o Tigres UANL não foi capaz de chegar ao segundo gol, encarando a partida de volta em desvantagem na eliminatória. Desde o banco de reservas, Tuca Ferretti bem tentou alterar a situação ao lançar Jurgen Damm, Lucas Zelarayán ou Luis Advíncula.

O segundo desafio está marcado para a madrugada de 27 de abril. Independentemente do que aconteça no estádio Hidalgo, o troféu máximo da CONCACAF mudará de dono, visto que as duas últimas edições foram levantadas pelo América. O Pachuca tenta segurar a vantagem para voltar a conquistar um título que foge desde a temporada 2009/10.

Boas Apostas!