Festa em Guadalajara. O Chivas, time local, venceu a Liga dos Campeões da CONCACAF pela primeira vez sob os atuais moldes. O finalista vencido foi o emblema canadiano do Toronto FC.

Foto via "Chivas Pasión"

Foto via “Chivas Pasión”

À imagem do que acontece com a Libertadores, a Liga dos Campeões da CONCACAF também é disputada em dois jogos. Mais de 180 minutos, o time mexicano do Chivas Guadalajara ergueu o ceptro que corresponde à glória máxima do futebol de clubes na América do Norte e Central.

O primeiro confronto, disputado no BMO Field, em Toronto, havia terminado com uma triunfo do time forasteiro. Com gols de Rodolfo Pizarro e Alán Pulido, o Chivas anulou a tento de Jonathan Osorio e assegurou vantagem para a partida de volta, no México. Em um ano sinceramente fraco sobretudo em termos domésticos, o time do Chivas estava a 90 minutos de erguer um troféu que não vencia desde 1962.

No México, Greg Vanney, técnico do Toronto, voltou a apostar em Auro, único brasileiro envolvido nessa decisão da Liga dos Campeões da CONCACAF. Os donos da casa assumiram a liderança do marcador logo aos 19 minutos por Orbelín Pineda e dilataram a vantagem na decisão para três a um. No entanto, o Toronto conseguiria dar a volta ao rumo dos acontecimentos ainda antes do final da primeira parte: Jozy Altidore empatou a um golo aos 25 e, perto do intervalo, Seba Giovinco, principal referência do time do Canadá, estabeleceu o resultado em dois a uma para a formação forasteira, empatando a final da competição.

A decisão da eliminatória seria remetida para a marcação de grandes penalidades e aí foi o time da Major League Soccer a ceder à pressão. Atuando com o apoio da sua torcida, o Chivas triunfou por quatro a dois a partir da marca de castigos máximos e pôde voltar a celebrar a conquista de um grande troféu, prolongando a hegemonia absoluta de times “aztecas” na Liga dos Campeões da CONCACAF. Em dez edições sob a atual designação/modelo competitivo, só venceram equipes mexicanas. O Monterrey é o emblema que mais vezes conquistou a Liga dos Campeões da CONCACAF sob os atuais moldes, enquanto o Chivas se juntou ao Cruz Azul e ao Atlante, emblemas que também venceram uma edição da prova cada.

Se segue a participação no Mundial de Clubes para a formação orientada pelo argentino Matías Almeyda.

Boas Apostas!