Grande surpresa em Abu Dhabi, na decisão da Copa das Nações Asiáticas 2019. A seleção do Japão, nação mais titulada da história da competição, perdeu a final para a congénere do Catar, congénere que ergueu o troféu pela primeira vez em toda sua história.

Foto: "Reuters"

Foto: “Reuters”

Deu zebra! A quatro anos de sediar a Copa do Mundo 2022, o Catar pôde celebrar o primeiro título continental da sua história. Contra as probabilidades, a seleção treinada pelo espanhol Félix Sánchez surpreendeu tudo e todos ao rubricar uma campanha que culminou com a conquista do título na decisão, frente ao Japão, um dos maiores candidatos ao título.

O jogo

O Catar entrou muito bem no jogo decisivo e foi a melhor equipa durante os primeiros 45 minutos da partida. Aos 12 minutos do primeiro tempo, passou para a frente do marcador graças a uma grande execução de Almoez Abdulla, artilheiro da competição, e 15 minutos mais tarde viria a fazer o dois a zero por Abdulaziz Hatem, aumentando a dificuldade da tarefa japonesa na final. A partir daí, o time nipónico se encontrava a assumir as despesas do jogo, no entanto, os catarenses não tiraram o pé do acelerador e estiveram bem perto de bater Shuichi Gonda pela terceira vez ainda antes do intervalo.

O seleccionador Hajime Moriyasu não promoveu alterações na equipa ao intervalo, mas o time japonês subiu de rendimento no segundo tempo e passou a ter mais bola, obrigando o Catar a recuar as linhas para defender a vantagem. O sistema defensivo do Catar não ruía, nem em jogo corrido, nem nas bolas paradas, até por volta dos 25 do segundo tempo, altura em que Takumi Minamino apareceu na cara do gol e conseguiu bater o guardião Saad Al-Sheeb para o um a zero, relançando a decisão.

O Japão estava por cima do jogo, mas o Catar saía rápido e com perigo em transição, ameaçando ampliar a vantagem, algo que acabaria por acontecer a sete minutos do fim. Hiroki Sakai tocou a bola com a mão no interior da área e Rabshan Irmatov, árbitro uzbeque que dirigiu a partida, recorreu ao VAR para assinalar a penalidade. Chamado a bater, Akran Afif selo o triunfo a favor dos catarenses, permitindo à sua seleção escrever a página mais bonita da história do futebol naquele nação.

Apenas um gol sofrido

O Catar rubricou um percurso exemplar nessa Taça das Nações Asiáticas. Para além de ter vencido todos os jogos que disputou no tempo regulamentar, sofreu apenas um gol, na decisão, frente ao Japão. Na fase de grupos, passou por Líbano (2-0), Coreia do Norte (6-0) e Arábia Saudita (2-0), enquanto na fase a eliminar bateu Iraque (1-0), Coreia do Sul (1-0) e Emirados Árabes Unidos (4-0), antes de marcar encontro na final com o Japão, vencendo por três a um.

Boas apostas!