Bruce Arena já não é seleccionador dos Estados Unidos. O técnico de 66 anos apresentou a demissão do cargo após falhar o acesso à fase de grupos da Copa do Mundo 2018.

Foto: "AFP"

Foto: “AFP”

Cerca de 72 horas após o desaire na deslocação a Trindade e Tobago que impediu o apuramento estadounidense para a Copa do Mundo da Rússia, Bruce Arena colocou um ponto final na sua segunda passagem pelo comando dos “yanks”. A decisão partiu do próprio que anunciou esta sexta-feira a renúncia ao cargo, após 11 meses  à frente de uma seleção que já tinha orientado entre 1998 e 2006.

Sucessor de Jurgen Klinsmann, técnico alemão que tinha caído precisamente por conta da situação difícil na zona de apuramento da CONCACAF para a Copa do Mundo 2018, Bruce Arena não foi capaz de remediar a situação, terminando no penúltimo posto do grupo, insuficiente até para alcançar o “play-off”.

Vitória na Gold Cup 2017

A conquista da Gold Cup 2017, disputada em “casa”, não foi suficiente para segurar Bruce Arena no cargo. A seleção dos Estados Unidos venceu a Gold Cup 2017 disputada durante o mês de julho deste ano, conquistando a prova de seleções mais importante da zona CONCACAF pela sexta vez na sua história. Depois de avançar a partir da sua chave na primeira posição do grupo, a seleção estadounidense eliminou El Salvador (2-0), deixou a Costa Rica (0-2) pelo caminho e na final levou a melhor sobre a Jamaica, time que tinha eliminado o México, campeão continental, na eliminatória anterior. Apesar da conquista do título, a principal meta do time passava por chegar na fase de grupos da Copa do Mundo da Rússia e terminar no penúltimo posto da chave de apuramento corresponde a um desempenho muito fraco, fatal para a permanência de Bruce Arena.
No comunicado em que Bruce Arena anuncia a decisão de deixar a seleção, pode ler-se o seguinte: “Quando aceitei o cargo em novembro passado, sabia que tínhamos um grande desafio pela frente, provavelmente maior do que as pessoas podiam considerar. Todos os envolvidos deram tudo o que tinham nos últimos onze meses e, no final, não foi o suficiente. Sem desculpas. Não conseguimos o objetivo e assumo a responsabilidade”. A demissão era um cenário mais que provável desde a noite da derrota em Trindade e Tobago, uma vez que o próprio Bruce Arena já tinha admito em declarações ao “Washington Post” que não estava interessado em guiar a seleção estadounidense em mais um ciclo de quatro anos que, na melhor das hipóteses, culminaria com a classificação para a Copa do Mundo do Qatar, em 2022.

A seleção russa falha a primeira fase final de uma grande competição desde 1986, ocasião em que a Copa do Mundo se disputou no México.

Boas Apostas!