O histórico Boca Juniors conquistou a Superliga da Argentina pela segunda temporada consecutiva. O time “Xeneize” foi à casa do Gimnasia, em La Plata, conquistar o ponto que faltava para soltar a celebração.

Foto: "Juan Mabromata/AFP"

Foto: “Juan Mabromata/AFP”

Clima de apoteose no tradicional bairro de “La Boca”, em Buenos Aires. A uma jornada do fim da Superliga 2017/18, o Boca Juniors celebrou a conquista de mais um título de campeão.

O time mandado por Guillermo Barros Schelotto viajou até à casa do Gimnasia La Plata em encontro que estava e atraso desde a rodada 25, sabendo que um ponto seria suficiente para voltar a almejar a glória máxima do futebol nacional.

Determinado em fechar a conquista do campeonato, o Boca passou para a frente logo aos 12 minutos da primeira etapa com um gol de Pablo Pérez. Antes da interrupção para intervalo, Colazo, jogador com passado associado ao Boca, empatou a partida a um gol, resultado que ainda assim servia as pretensões do Boca.

Pouco depois do início da etapa complementar, um erro da zaga do Gimnasia permitiu a Ábila se chegar à frente e atirar para o gol, dando nova vantagem ao time de Buenos Aires. Vale sublinhar a importância de Ábila na conquista desse título de campeão, dado que estamos a falar de um atleta que fez nada mais nada menos que dez gols.

Antes do apito final, em uma altura em que já se pensava nas celebrações, Alemán rematou, a bola ressaltou em Magallán e se anichou no fundo da rede do Boca, estabelecendo o dois a dois final que serviu para o Boca celebrar. A uma jornada do fim, o Boca soma 57 pontos, mais quatro que o Godoy Cruz, principal rival nessa corrida ao título. A Bombonera se encheu de imediato para assinalar mais uma conquista do emblema que está agora a três títulos de igualar o River Plate na condição de campeão máximo da Argentina.

Tévez entre os melhores

Carlitos Tévez retornou à sua “casa mãe” após uma experiência no futebol chinês e, como de costume, foi recebido de braços abertos. Carlitos teria sempre um lugar na história do clube, mas “El Apache” tem vindo a reforçar esse estatuto e, segundo o diário argentino “Olé”, está agora no “top 3” de jogadores argentinos com mais títulos em toda a história. O “ranking” é lidera por Leo Messi, com 34 conquistas, seguido de Di Stéfano e Tévez – com os mesmos 26. Cambiasso e Lucho Gonzalez (jogador do Atlético Paranaense) completam a lista com 25 e 24, respetivamente.

Libertadores preocupa

Assim que as celebrações terminarem, o Boca terá que se preocupar com a Libertadores. O time da Bombonera vai enfrentar o time peruano do Alianza Lima na derradeira rodada do grupo 8 da Libertadores e, para além de estar obrigado a vencer caso queira se classificar, precisa torcer para o Palmeiras não perder com os colombianos do Junior Barranquilla. Antes dessa partida que está marcada para dia 16, o Boca vai até ao terreno do Huracán na derradeira ronda do campeonato argentino, ocasião em que Barros Schelotto promoverá várias alterações no time.

Boas Apostas!