28 anos, passagens por Porto, Manchester United, Fiorentina e a extrema necessidade de se relançar. Para o meia brasileiro Anderson, a chegada em Curitiba representa uma grande oportunidade para recuperar o nível de outrora. Em dia de apresentação, o 12º reforço do “Coxa” para essa temporada assumiu que “precisa de provar a si próprio que tem muito a dar ao futebol”. O Inter cedeu o passe do jogador até final de 2017.

Sem espaço no Inter

Foto: "Ricardo Duarte/Internacional"

Foto: “Ricardo Duarte/Internacional”

Se a campanha do Internacional de Porto Alegre no Brasileirão 2016 foi ruim, o ano de Anderson não destoou. O meia brasileiro foi um dos alvos mais fáceis da torcida, sua forma física foi constantemente criticada e o espaço para atuar foi sendo cada vez mais reduzido. Durante uma temporada marcada pela instabilidade no comando técnico do Inter, Anderson nunca foi um elemento indiscutível para qualquer um dos quatro treinadores que passaram pelo clube: Argel, Falcão, Celso Roth ou Lisca. O meia teve mais minutos sob as ordens de Argel na parte inicial da temporada, durante a disputa do Gaúchão, caindo posteriormente juntamente com a quebra do Inter, time que, recorde-se, até andou nos lugares cimeiros da classificação durante algum tempo na etapa inicial do Brasileirão 2016.

Com a descida à Série B, Anderson foi um dos “sacrificados” e deixou o clube a título de empréstimo por conta das más atuações em 2016, embora a vontade do jogador também abonasse nesse sentido. Antônio Carlos Zago, novo técnico, abdicou de seus serviços e o jogador encontrou em Curitiba a solução para permanecer no mais alto escalão do futebol brasileiro. O “Alviverde” se interessou pelos serviços do meia brasileiro e, algo relutante e sem querer investir na contratação definitiva, a diretoria do cluve chegou a um entendimento com o Internacional para o empréstimo do jogador até final de 2017. No “Colorado”, Anderson soube desde cedo que não faria parte dos planos para o ano de 2017, até porque se estava treinando com o time de reservas e não com o restante elenco coordenado por Zago. O “Globo Esporte” cita que para rumar a Coritiba, Anderson recusou a hipótese de regressar a Portugal para representar o Braga, abdicou de rumar a Inglaterra para defender o Middlesbrough e também não mostrou interesse em negociar com um grupo de empresários associados ao futebol chinês. O Corinthians e o Atlético Mineiro terão abordado a diretoria do Coritiba, mas as negociações não avançaram.

Palavra de Carpegiani

Anderson anunciado como reforço do Coritiba até final de 2017

Anderson anunciado como reforço do Coritiba até final de 2017

Na coletiva de apresentação à imprensa, Anderson revelou que falou com Paulo César Carpegiani antes de assinar contrato com o Coritiba. Empenhado em recuperar confiança e seu melhor nível, o jogador ambiciona ter minutos com a 18 do “Coxa”: “Falei com o Carpegiani, ele sabe o que eu quero. Eu preciso disso. Preciso provar para mim mesmo que tenho muito a dar”. Recorde-se que Anderson chegou ao clube para preencher uma vaga no meio-campo, isso depois das contratações de Daniel, Tiago Reao, Jonas e Matheus Galdezani, Márcio, Werley e William Matheus (defesas) e Filgrana, Henrique Almeida, Rildo e Léo Santos (atacantes) também são reforços.

Sem ganhar título desde 2013/14 quando pôde celebrar a conquista da Supercopa Inglesa pelo Manchester United, Anderson aponta à vitória no Estadual para quebrar o jejum coletivo do Coritiba, time que não vence o camopeonato Paranaense há quatro anos. Nesse momento, o “Coxa” é 6º colocado com sete pontos conquistados em quatro jogos, mas tem menos um jogo disputado que a maioria dos concorrentes, por conta da polêmica que impediu a realização do clássico “Atletiba”.

Boas Apostas!