A seleção italiana foi incapaz de ultrapassar o “play-off” de acesso à fase de grupos da Copa do Mundo 2018 e o falhanço registado vai ter consequências. O seleccionador Gianpiero Ventura deverá abandonar o cargo e já há nomes em cima da mesa para a sucessão.

Foto: "Getty Images"

Foto: “Getty Images”

Consumada a eliminação da Itália às mãos da Suécia no derradeiro “play-off” da zona UEFA, os jornalistas presentes na sala da coletiva de imprensa do estádio San Siro, em Milão, logo questionaram Gianpiero Ventura quanto à possibilidade de continuar em funções. O experiente técnico transalpino apresentou suas desculpas, garantiu que não se demitia e que só mais tarde falaria com o presidente da federação para definir seu futuro. No entanto, para além do insucesso desportivo que por si só já poderia sentenciar o futuro de Ventura, a alegada discussão com os jogadores na partida de ida disputada na Suécia e a troca de palavras menos simpática com Daniele De Rossi são dois fatores que também contribuíram para fragilizar a posição do técnico. Ainda que nenhuma decisão tenha sido tornada pública, a imprensa transalpina dá a saída de Gianpiero Ventura como um dado praticamente adquirido.

A Federação Italiana de Futebol presidida por Carlo Tavecchio está esta terça-feira (14) reunida de urgência para tomar uma posição após a inesperada eliminação da “squadra azzurra” e a imprensa internacional não tardou até apontar vários nomes à sucessão. Carlo Ancelotti, despedido do Bayern de Munique no início dessa temporada, é o nome “mais forte” para a sucessão, reunindo não só as preferências dos diretores da federação italiana como também o dos “tiffosi” italianos, pelo menos a julgar pelos resultados de uma enquete realizada pelo diário desportivo italiano “La Gazzetta dello Sport”. Após resolver a situação de Gianpiero Ventura, a Federação Italiana poderá fazer uma primeira abordagem, sendo certo que Ancelotti não é o único nome que consta na lista de potenciais sucessores. Os responsáveis transalpinos também estarão particularmente atentos à situação de Antonio Conte, treinador que deverá estar de saída do Chelsea, restando saber se ainda terminará a atual temporada em Stamford Bridge – vale lembrar que antes de assinar pelo Chelsea, clube que tornou campeão na temporada 2016/17, Conte estava ao serviço da Itália. Massimiliano Allegri, aparentemente seguro no comando da Juve, é outra das opções na enquete, assim como Roberto Mancini, atualmente à frente dos russos do Zenit de São Petersburgo.

Carlos Tavecchio, presidente da Federação Italiana, admitiu estar “profundamente amargurado e dececionado” por ver a seleção italiana falhar o apuramento para uma edição da Copa do Mundo pela primeira vez em 60 anos, se preparando agora para uma “discussão pormenorizada” com os restantes responsáveis da Federação para apurar quem será o sucessor de Ventura. Gorada a possibilidade de chegar na fase final da Copa do Mundo 2018, o primeiro grande objetivo do novo seleccionador italiano passará por garantir a classificação para o Euro 2020, o primeiro a ser disputado em vários pontos do continente europeu.

Desde a viragem do milénio, estiveram oito técnico à frente da “squadra azzurra”: Dino Zoff (1998 – 2000), Gio Trapattoni (2000 – 2004), Marcello Lippi (2004 – 2006), Roberto Donadoni (2006 – 2008), Marcello Lippi (2008 – 2010), Cesare Prandelli (2010 – 2014), Antonio Conte (2014 – 2016) e Giampiero Bonaventura, técnico que assumiu o time após o Euro 2016.

Boas Apostas!